Comissão de Mudanças Climáticas debate modelo de desenvolvimento para Amazônia — Senado Notícias

A Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas (CMMC) faz audiência pública na quarta-feira (6), às 14h30, para debater sobre um novo modelo de desenvolvimento para a Amazônia.

A região amazônica abriga 40% da floresta tropical remanescente do mundo e 25% da biodiversidade terrestre, ou seja, é um importante ecossistema. No entanto, em 2019 foi registrado um grande aumento de desmatamento da floresta. Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), entre janeiro e agosto foram desmatados 6,4 mil quilômetros quadrados, enquanto em 2018 foram 3,3 mil quilômetros quadrados. De acordo com alguns ambientalistas, neste ano o desmatamento pode chegar, pela primeira vez desde 2008, a 10 mil quilômetros quadrados.

Em setembro, a CMMC fez uma audiência pública sobre os incêndios que estavam ocorrendo com maior frequência na Floresta Amazônica. Os especialistas participantes ressaltaram que a maior parte deles tem origem no desmatamento ilegal, usado principalmente para abrir áreas para a agricultura e para a pecuária. Além disso, a maioria do desmatamento ilegal ocorre em áreas públicas.

O pesquisador Paulo Moutinho, do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), afirmou durante a audiência que o Brasil tem todas as condições humanas e técnicas de controlar e reduzir o desmatamento, como ocorrido entre 2005 e 2012. Segundo ele, existem atualmente de 15 milhões a 20 milhões de hectares já degradados e abandonados na Floresta Amazônica que, se forem recuperados, podem ser utilizados para expandir a produção agrícola.

Soluções

A intenção do debate sobre um novo modelo econômico de desenvolvimento é encontrar soluções para diminuir o impacto ambiental das atividades econômicas realizadas na região.

Para a reunião, foram convidados representantes do Ministério do Meio Ambiente (MMA), da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam). Também devem participar o pesquisador Francisco Assis da Costa, do Núcleo de Altos Estudos da Universidade Federal do Pará; o sócio-fundador do Instituto Socioambiental (ISA) Márcio Santilli; o pesquisador Adalberto Veríssimo, do Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (Imazon); o professor Ricardo Abramovay, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo; o cientista Carlos Nobre, pesquisador do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (USP); e o gestor do Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA) Fábio Calderaro.

A CMMC é presidida pelo senador Zequinha Marinho (PSC-PA) e tem como vice-presidente o deputado Sérgio Souza (MDB-PR). Composta por 12 senadores e 12 deputados, com igual número de suplentes, a comissão foi criada em 2008 para acompanhar, monitorar e fiscalizar, de modo contínuo, as ações referentes às mudanças climáticas no Brasil.

A audiência pública será no plenário 7 da Ala Senador Alexandre Costa do Senado e terá caráter interativo, com a possibilidade de participação popular com perguntas e comentários.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/11/01/comissao-de-mudancas-climaticas-debate-modelo-de-desenvolvimento-para-amazonia.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

CAE aprova mandatos fixos para diretores do Banco Central — Senado Notícias

A Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE) aprovou mandatos fixos para a diretoria do …