PSDB diz que pacote de Guedes “reinventa a roda e tem DNA tucano” – Congresso em Foco

O presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo, escreveu nesta segunda-feira (4) um artigo no qual rejeita as críticas do ministro da Economia, Paulo Guedes, ao governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

O comandante da sigla também criticou o presidente Jair Bolsonaro  e declarou que a reforma previdenciária foi aprovada “apesar dele”.

>Pacote de Guedes quer reduzir salários e número de cargos de servidores

> Presidente do PSDB sobre BolsoDoria: “foi para mostrar que não somos PT”

Para o dirigente partidário, o conjuntos de medidas econômicas que Guedes vai apresentar nesta semana como prioridade após a aprovação da reforma da Previdência já foi pensada durante administração do PSDB no governo federal.

“O mínimo então que exigimos, para o restabelecimento do rigor à realidade, é que o ministro Paulo Guedes tenha consciência de que não está reinventando a roda com suas ações e propostas. Segue apenas uma trilha que já foi iniciada por outros governos, sobretudo o PSDB. O DNA de muito do melhor que ele propõe, inclusive, pode ser encontrada nos anos 90”, escreve Araújo em texto veículo no site do partido.

Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo publicada no domingo (3), Guedes apresentou detalhes de seu pacote econômico e criticou os presidentes anteriores a Jair Bolsonaro:

“Foram 30 anos de centro-esquerda. Dá para esperar quatro aninhos de um liberal-democrata? Se não melhorar, troca, sem intolerância. Mas deu três meses e já começaram: cadê o crescimento? Vamos ser razoáveis. Não é justo”.

Nos últimos 30 anos o país foi governado por Fernando Collor, Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Michel Temer.

Em entrevista ao Congresso em Foco no dia  10 de outubro, Araújo minimizou os atritos com Guedes:

“Recalque das diferenças dos economistas tucanos no Rio, isso passa. O mau humor do ministro Guedes não vai gerar barreiras em relação a nossa crença do que é necessário para ajudar o país a se desenvolver do ponto de vista econômico”.

No artigo desta segunda, Bruno Araújo criticou Bolsonaro e lembrou do episódio no qual ele ameaçou fuzilar o então presidente Fernando Henrique por conta dos projetos de privatizações.

“Nessas últimas décadas sabemos qual era a posição do então deputado Jair Bolsonaro. Era a de votar contra as privatizações, contra as reformas, defender corporações, subir à tribuna inúmeras vezes para vociferar contra a reforma da Previdência e mesmo contra Fernando Henrique Cardoso, contra o qual pregou o fuzilamento”, escreve o presidente do PSDB.

É a segunda vez que a legenda divulga um texto contra o ministro da Economia. No dia 30 de julho, Bruno Araújo ficou insatisfeito com um documento elaborado pela Secretaria de Desestatização do Ministério da Economia.

De acordo com a apresentação elaborada pelo governo federal, a social democracia dos últimos 30 anos deixou 5,9 milhões de normas, delas 390.726 tributárias, fracos resultados no PIB (Produto Interno Bruto), dívida interna alta e baixa produtividade.

> Líder do MDB vê prazo curto para pacote pós-reforma da Previdência

>Pacote pós-Previdência depende do humor do Congresso, diz líder do governo

> PSDB diz que fala de Eduardo Bolsonaro pode “jogar país nas trevas”

Catarse

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Parlamentares prometem artilharia pesada contra Bolsonaro na COP – Congresso em Foco

Parlamentares brasileiros estão em Madri para da 25ª edição da Conferência do Clima (COP-25). No …