Governo prevê votação final de PECs do Plano Mais Brasil até o meio de 2020 — Senado Notícias

Mais de 40 senadores se reuniram nesta quarta-feira (6) com o ministro da Economia, Paulo Guedes, para discutir o Plano Mais Brasil, que traz propostas de emenda à Constituição (PECs) apresentadas pelo governo para a área econômica e o pacto federativo. O encontro aconteceu na Residência Oficial da Presidência do Senado, em Brasília.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, disse que se reunirá com a presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), senadora Simone Tebet (MDB-MS), às 15h, para definir os relatores das matérias. Durante a reunião deliberativa do colegiado, Simone informou que delegou aos líderes partidários a atribuição de definir as relatorias. Mas alertou para o fato de que a missão não será dada a membros do PSDB, porque o partido já relatou as propostas de reforma da Previdência.

Na Residência Oficial, o líder do governo, senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), explicou que três propostas do pacote Mais Brasil terão a tramitação iniciada pelo Senado. São elas: a PEC Emergencial (186/ 2019), a PEC da Revisão dos Fundos (187/2019) e a PEC do Pacto Federativo (188/2019). Já a PEC que trata da reforma administrativa, segundo Bezerra, começará a tramitar na Câmara, enquanto a PEC da reforma tributária será analisada por uma comissão mista, integrada por senadores e deputados. Os membros ainda serão definidos.

— A expectativa é que todas essas propostas possam estar apreciadas e votadas nos dois turnos, e nas duas Casas, até o final do primeiro semestre do próximo ano. Mas a liderança do governo vai se esforçar para que a PEC Emergencial seja votada até o final de 2019. Temos um tempo exíguo, mas temos também uma emergência fiscal que já está caracterizada em pelo menos três estados brasileiros — declarou.

A PEC Emergencial propõe que os gatilhos existentes no caso de descumprimento do teto de gastos públicos também sejam acionados se a chamada “regra de ouro” não for cumprida. Segundo Fernando Bezerra Coelho, a consciência dos senadores de que o Senado é a “Casa da Federação” ajudará a acelerar a tramitação da matéria, para que ela siga logo para a Câmara.

— As matérias são densas. Todos estamos avaliando o conteúdo de cada uma delas, claro, mas a minha impressão desta reunião com mais de 40 senadores é de que a receptividade das três PECs foi muito boa.

Governo

O ministro Paulo Guedes afirmou que o pacote vai fortalecer a democracia ao possibilitar, por exemplo, a descentralização de recursos da União para que os demais poderes tenham autonomia no manejo desse dinheiro. A expectativa do governo é de que, com as novidades, estados e municípios recebam entre R$ 450 e R$ 500 bilhões nos próximos anos.

Guedes ressaltou a aliança do governo com os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre, e da Câmara, Rodrigo Maia, no fechamento das propostas. Ele afirmou que a principal ideia é fortalecer os investimentos públicos em áreas como educação, saúde e segurança.

— Nós estamos aprofundando essa reforma do Estado em conjunto com o Congresso. Estamos criando o Conselho Fiscal da República, desvinculando fundos para sua melhor utilização e propondo a reforma administrativa, de valorização do serviço público e interrupção de privilégios.

O ministro da Economia disse que a intenção do governo também é diminuir o aparelhamento do Estado, para acabar com o uso político das instituições e com os desvios de recursos públicos. Ele ressaltou que a PEC 188/2019, por exemplo, traz um novo modelo fiscal para o país, mudando o conjunto de regras constitucionais que determinam como são distribuídos e gastos os recursos arrecadados pela União, estados e municípios.

Paulo Guedes não comentou os prazos para tramitação das matérias. Mas disse que, graças a uma aliança do governo com o Congresso, boa parte das mudanças às PECs já foi feita. Ele declarou, no entanto, que o Parlamento é soberano e tem autonomia para fazer as alterações que achar pertinentes.

— Seria arrogância tola dizer que há algum ponto inegociável. Mas nós sabemos quais são os pontos críticos e importantes, que demandam atenção e foco. Um deles é a necessidade de responsabilidade fiscal, que tem lei, mas não existe a cultura. Os municípios estão quebrados, estados, o e próprio governo se endivida em bola de neve, então, nós precisamos reforçar essa cultura — declarou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/11/06/governo-preve-votacao-final-de-pecs-do-plano-mais-brasil-ate-o-meio-de-2020.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Debatedores defendem projeto que facilita cobrança de dívidas tributárias — Senado Notícias

Quem deve impostos pode ter uma nova forma de negociar: é a arbitragem tributária. A …