Iniciado julgamento sobre incidência de contribuição previdenciária sobre salário-maternidade – STF

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) iniciou, em sessão extraordinária realizada na manhã desta quarta-feira (6), o julgamento do recurso extraordinário em que se discute a constitucionalidade da incidência de contribuição previdenciária sobre o salário-maternidade. A sessão foi interrompida com pedido de vista do ministro Marco Aurélio. Até o momento sete ministros votaram e o placar está em quatro votos a três pela inconstitucionalidade da tributação.

O relator, ministro Luís Roberto Barroso, que considera a cobrança inconstitucional, foi acompanhado pelo ministro Edson Fachin e as ministras Rosa Weber e Cármen Lúcia. A divergência foi aberta pelo ministro Alexandre de Moraes, que considera válida a incidência da contribuição sobre o salário-maternidade, no que foi seguido pelos ministros Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes.

Repercussão geral

Com repercussão geral reconhecida, o Recurso Extraordinário (RE) 576967 foi interposto pelo Hospital Vita Batel S/A, de Curitiba (PR), sob a alegação de que o salário-maternidade não pode ser considerado como remuneração para fins de tributação, uma vez que no referido período a funcionária que o recebe está afastada do trabalho. Argumenta ainda que sua utilização na base de cálculo para fins de cobrança previdenciária caracteriza nova fonte de custeio para a seguridade social.

A União, por outro lado, se opõe a esse entendimento e sustenta que a funcionária continua a fazer parte da folha de salários mesmo durante o afastamento, cabendo ao empregador a obrigação de remunerá-la conforme a legislação. O hospital recorreu ao STF contra acórdão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), que manteve decisão de primeira instância na qual validou a cobrança da contribuição sobre o salário-maternidade.

No âmbito constitucional, está em discussão no STF o artigo 28, parágrafo 2º, da Lei 8.212/1991, que trata da organização da seguridade social, frente ao artigo 195 (incisos I e II) da Constituição Federal, que se refere às formas de financiamento da seguridade social, entre elas a instituição de contribuições na forma da lei. Também em discussão está essa incidência tributária sobre o salário-maternidade, diante de princípios constitucionais da isonomia entre homens e mulheres, do acesso ao mercado de trabalho e da proteção à maternidade.

Discriminação

O relator, ministro Luís Roberto Barroso, votou no sentido de dar provimento ao recurso para afastar a incidência da contribuição sobre o salário-maternidade e declarar incidentalmente a inconstitucionalidade do artigo 28, parágrafos 2º e 9º (parte final da alínea “a”) da Lei 8.212/1991. Para Barroso, admitir a incidência da contribuição “importa em permitir uma discriminação que é incompatível com texto constitucional e tratados internacionais que procuram proteger o acesso da mulher ao mercado de trabalho e ao exercício da maternidade”.

Ele ressaltou que não é indiferente ao momento fiscal brasileiro, como manifestou a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) em defesa da tributação, mas acrescentou que levando em conta suas valorações, “a preocupação fiscal tem que ceder a uma demanda universal de justiça com as mulheres”.

O relator lembrou que, quando da instituição do salário-maternidade pela Constituição Federal de 1934, com regulamentação dada pela Consolidação das Leis do trabalho (CLT), em 1946, cabia ao empregador o ônus do pagamento do benefício, o que desestimulava a contratação e mulheres. Posteriormente, disse o ministro, a legislação brasileira incorporou entendimento firmado entre países signatários da Organização Internacional do Trabalho (OIT) para retirar esse óbice à contratação de mulheres.

Benefício

Para o ministro Roberto Barroso, o salário-maternidade é um benefício, não é uma contraprestação sobre o trabalho e nem tem caráter habitual, condições que permitiriam sua incidência sobre a folha salarial. Ele acrescentou que a Constituição de 1988 adotou uma postura ampla proteção à mulher, à gestante e à mãe e lembrou o julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 1946, quando a Corte entendeu que o salário-maternidade não está incluído no teto geral da Previdência Social. Tal entendimento deu ao benefício uma natureza mais previdenciária e de seguridade social do que trabalhista, o que o relator considera que deve ser seguido no caso da incidência da contribuição sobre a licença-maternidade.

Assim, em sua avaliação, mesmo que o artigo 195, inciso II, da Constituição Federal, permita a criação de uma contribuição para custear a seguridade social e que inclua o salário-maternidade como fonte de custeio, tal inclusão deve ser feita por meio de lei complementar. Por essa razão, o ministro votou pela inconstitucionalidade dos dispositivos questionados da Lei 8.212/1991.

Divergência

O ministro Alexandre de Moraes abriu divergência, considerando que é constitucional a inclusão do valor referente ao salário-maternidade na base de cálculo da contribuição previdenciária incidente sobre a remuneração. “Se o recurso for provido, a mulher continuará pagando a contribuição previdenciária e o empregador não. Não se trata de questão de gênero. A discussão é financeira, tributária”, defendeu.

Na sua avaliação, seria uma incongruência que a contribuição previdenciária patronal incidisse sobre base econômica mais restrita do que aquela sobre a qual incide a contribuição devida pelas empregadas, especialmente se considerada sua destinação ao custeio da seguridade social.

O ministro Alexandre de Morares assinalou ainda que a medida não afasta a contratação de mulheres e nem estimula discriminação de gênero. “Trata-se de tentar isentar o pagamento patronal”, frisou. Ele apontou ainda que se, mesmo custeado pela Previdência Social, o salário-maternidade não perdeu seu caráter salarial, tanto que só as mulheres empregadas recebem o valor.

AR, RP/CR

Fonte Oficial: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=429086.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Lei do RJ que proíbe fidelização em contratos de prestação de serviços é válida – STF

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) julgou constitucional uma lei do Estado do Rio …