Representação contra Eduardo Bolsonaro é protocolada no conselho de ética – Congresso em Foco

Foi protocolado no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados um requerimento por quebra de decoro parlamentar contra o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). O líder do PSL na Casa se declarou na semana passada que em caso de radicalização da esquerda, poderá vir a edição de um novo AI-5, um dos mais rígidos atos institucionais da ditadura militar.

> AI-5: Maia sinaliza convocação do General Heleno

Para discutir a admissibilidade do pedido, haverá um sorteio de três parlamentares, o presidente do colegiado, Juscelino Filho (DEM/MA), escolherá um deles. “O relator escolhido terá dez dias para fazer um relatório preliminar para levar ao conselho de ética”, explicou o presidente.

“O Conselho de Ética tem 21 membros e a oposição tem seis membros. Em segundo lugar, 16 partidos assinaram uma posição repudiando a fala do Eduardo Bolsonaro”, disse o líder do Psol na Casa, Ivan Valente (SP).

“São quatro bancadas da Casa representando”, disse a líder da minoria na Câmara, Jandira Feghali (PCdoB-RJ). “O peso da denúncia tem importância para o relator (…). Nós não temos essa preocupação de que o relator seja alguém da esquerda, mas que seja alguém que preze pela democracia brasileira”, concluiu.

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann (PR), relembrou que essa não é a primeira vez que Eduardo Bolsonaro se pronuncia favoravelmente a períodos antidemocráticos. “O deputado Eduardo Bolsonaro é reincidente neste tipo de pronunciamento. Já falou anteriormente e agora volta a falar na qualidade de deputado”, disse.

A deputada Fernanda Melchionna (Psol-RS), a representação serve para estabelecer uma luta em favor da democracia. “Para lutar em defesa das liberdades democráticas e repudiar este ataque violento, essa apologia, a tortura e aos crimes da ditadura, têm várias  maneiras. Certamente a representação dos partidos fortalece a representação conjunto e nós temos uma iniciativa de uma representação online que já são mais de 150 assinaturas”, disse a deputada.

Em entrevista na última quinta (31), concedida a jornalista Leda Nagle, Eduardo defendeu que em caso de radicalização da esquerda, o retorno de um AI-5 seria justificável.

“Vai chegar um momento em que a situação vai ser igual a do final dos anos 60 no Brasil, quando sequestravam aeronaves, quando executavam-se e sequestravam-se grandes autoridades, cônsules, embaixadores, execução de policiais, de militares. Se a esquerda radicalizar a esse ponto, a gente via precisar ter uma resposta. E a resposta, ela pode ser via um novo AI-5, via uma legislação aprovada através de um plebiscito, como aconteceu na Itália. Alguma resposta vai ter que ser dada”, defendeu Eduardo.

O Ato Institucional número 5 foi o quinto decreto adotado pela ditadura militar, em 1968. É considerado mais duro de todo o período de rompimento democrático que só se encerrou em 1985.

O Ai-5, dentre outros instrumentos, legalizou a cassação imediata dos mandatos de parlamentares que eram contrários aos militares. Institucionalizou a tortura ao suspender quaisquer garantias constitucionais. Aplicou a censura prévia de tudo que saía na imprensa, música, filmes ou qualquer outro tipo de entretenimento ou manifestação cultural. Prisão de jornalistas e artistas, além da morte e desaparecimento de presos políticos, também foi resultado desse período.

Criticado por todos os setores da sociedade civil, o deputado federal foi à televisão aberta explicar a sua declaração. Em entrevista ao programa Datena, ele garantiu que nem ele nem o governo estudam o retorno do decreto que marcou a “época de chumbo” da ditadura militar brasileira e acusou a oposição de ter deturpado a sua fala.

> Manifestantes vão às ruas contra Bolsonaro e Eduardo e por investigações do Caso Marielle

Campanha do Congresso em Foco no Catarse

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Política ambiental está nas trevas, diz presidente da Comissão de Meio Ambiente – Congresso em Foco

O deputado Rodrigo Agostinho (PSB-SP) afirma que estamos vivenciando um momento de  retrocesso “pesadíssimo” no …