Representantes do agronegócio defendem MP que cria o Fundo de Aval Fraterno — Senado Notícias

A Medida Provisória (MP) 897/2019 aprimora os instrumentos atuais de crédito rural e poderá contribuir para o desenvolvimento do mercado de crédito e de capitais na agropecuária, disseram nesta quarta-feira (6) representantes do agronegócio em audiência pública na comissão mista encarregada de analisá-la. A votação do relatório preliminar da MP está prevista para 27 de novembro.

A MP 897/2019 institui o Fundo de Aval Fraterno (FAF), além de dispor sobre o patrimônio de afetação de propriedades rurais, a Cédula Imobiliária Rural, a escrituração de títulos de crédito e a concessão de subvenção econômica para empresas cerealistas.

Criado pela MP, que complementa medidas previstas no Plano Safra 2019/2020, o FAF permite a garantia solidária aos produtores. O objetivo é renegociar eventuais dívidas de operações de crédito rural, além de estabelecer uma série de medidas ligadas ao crédito e financiamento de dívidas de produtores. As iniciativas envolvem a ampliação do volume de créditos disponíveis para o agronegócio e a concessão facilitada de financiamentos (por meio de um fundo solidário) para renegociação de dívidas e construção de armazéns.

Financiamento

Representante da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Rodrigo Kaufmann disse que a MP introduz novos institutos jurídicos e toca em problemas que afetam o financiamento da atividade agrícola, como a falta de clareza na análise dos riscos envolvidos e a necessidade de estabelecer mercado competitivo na oferta e na tomada de crédito.

— A MP tem o benefício de estabelecer institutos novos com base em premissas importantes, como trazer maior dinamismo ao mercado agrícola. A MP não é a revolução total, mas oferece instrumentos novos a serem considerados como opção de crédito pelos produtores. A vantagem da MP é agregar ajuda ao produtor a pensar melhor sua atividade empresarial. O patrimônio de afetação é inovador e traz seus desafios — afirmou.

Kaufmann disse ser necessário ampliar o crédito rural buscando a concorrência para a abertura de novos mercados. Entre os maiores problemas enfrentados pelo agronegócio, ele citou a burocracia nos desmembramentos da propriedade, a exigência de apresentação de garantias em vários graus, e as desproporções na relação assimétrica entre o produtor rural e o credor.

Segurança jurídica

Representante da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Camilo Augusto Amadio Guerrero avaliou que, com segurança jurídica, será possível alavancar os instrumentos adequados ao agronegócio.

— O agronegócio hoje está em um patamar de modernidade e passa por um processo em condições de acessar todo o sistema financeiro para obtenção do crédito necessário. O patrimônio de afetação, desde que munido de segurança jurídica e clareza, contribuirá para o processo que alavanca o credito no agronegócio — afirmou.

“Grande avanço”

Ex-secretário executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e ex-diretor do Banco do Brasil, José Carlos Vaz disse que a MP é um “grande e excelente avanço”, que pode ser aprimorado por meio das emendas apresentadas à proposição.

— 60% dos imóveis rurais produzidos no país estão hipotecados no sistema financeiro de forma desnecessária. Nossos recursos não são suficientes, o país tem poupança negativa. Temos que buscar recursos de investidores externos. Se não dermos segurança jurídica para o investidor aplicar no agronegócio, não vamos conseguir recursos para o setor — afirmou.

Desmembramento

Representante do Ministério da Economia, Rogério Boueri disse que a MP vai facilitar a vida dos produtores rurais. Ele observou que já existe a possibilidade de fazer desmembramento da matricula do imóvel em cartório, mas que muitas vezes o produtor não o faz por razoes econômicas e pelo alto custo.

— Outro problema é a sobregarantia. Tentamos desenvolver uma proposta que permitisse ao proprietário fazer o desmembramento para fins de garantia, respeitados todos os requisitos legais e ambientais. Se o Brasil se desenvolver, acreditamos que a MP poderá ser muito útil para a agropecuária, uma vez que o crédito rural terá que se desenvolver, em vista da restrição fiscal — afirmou.

Oferta de crédito

Sócio-fundador da Central de Recebíveis (Cerc), Marcelo Maziero disse ser necessário ampliar a oferta de crédito ao produtor rural com maior eficiência. Ele destacou que a atuação das registradoras, citadas na MP, concentra-se hoje em democratizar o acesso às informações aos agentes de mercado, além de controlar a qualidade da propriedade dos ativos.

Relator da MP, o deputado Pedro Lupion (DEM-PR) disse que vai melhorar a proposição para deixá-la exequível ao dia a dia das propriedades brasileiras.

— O número de emendas beira a 50, algumas ótimas, algumas que não têm como ser aplicadas, mas que buscam soluções para a segurança jurídica para o setor — concluiu.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/11/06/representantes-do-agronegocio-defendem-mp-que-cria-o-fundo-de-aval-fraterno.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

CAE aprova mandatos fixos para diretores do Banco Central — Senado Notícias

A Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE) aprovou mandatos fixos para a diretoria do …