Comissão vai investigar manchas de óleo em Pernambuco e Rio Grande do Norte — Senado Notícias

A comissão temporária externa do Senado que acompanha as ações de enfrentamento às manchas de petróleo no litoral brasileiro realiza diligências em Pernambuco e no Rio Grande do Norte na sexta-feira (8) e no sábado (9). Os senadores Fabiano Contarato (Rede-ES), Humberto Costa (PT-PE), Jean Paul Prates (PT-RN) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP), acompanhados do consultor Luiz Beltrão, visitarão as praias de Itapuama, em Cabo de Santo Agostinho (PE), e Barra de Tabatinga, em Nisia Floresta (RN). A agenda inclui ainda reuniões com os governadores, pesquisadores, voluntários e dirigentes dos órgãos que monitoram as manchas de óleo.

Fabiano Contarato explica que o objetivo da comissão é buscar respostas sobre o crime ambiental, verificando localmente o grau de articulação entre governo e sociedade civil. Na avaliação do parlamentar, que é presidente da Comissão de Meio Ambiente (CMA), o governo federal demorou a dar respostas ao desastre.

— Devemos coletar provas de natureza objetiva e subjetiva e elaborar relatório que disponibilizará esse material para toda a sociedade. Hoje, lamentavelmente, temos mais perguntas do que respostas.

Contarato disse que o vazamento de óleo constitui crime, mesmo que tenha sido cometido por negligência, imprudência ou imperícia. Ele chamou atenção para os efeitos negativos para a economia do litoral nordestino. O parlamentar espera que a comissão externa demonstre aprendizado com tragédias anteriores, como o rompimento da barragem de Mariana, em Minas Gerais. Quatro anos após o desastre, ninguém foi responsabilizado pelo crime ambiental.

Humberto Costa sublinhou a repercussão social e econômica da mancha de óleo, como a possibilidade de comprometimento da temporada turística no Nordeste. Para ele, a causa do crime ambiental deve ser desvendado para que as vítimas sejam indenizadas.

— Vamos discutir como o Congresso pode ajudar, por exemplo, quanto à destinação de recursos financeiros, e discutir questões de ordem legal que possam impedir a repetição de situações como essa — declarou.

Jean Paul Prates declarou que há uma preocupação com a questão não só das medidas tomadas neste momento para garantir a segurança das pessoas e evitar maiores prejuízos financeiros, econômicos, turístico, comercias e sociais.

— Uma das coisas que nós vamos trabalhar seriamente e imediatamente é justamente nessa prevenção de mais prejuízos, como evitar mais problemas, a partir do que já temos. Fazer também o diagnóstico do que já foi feito ou do que poderia ter sido feito e não foi e, portanto, não evitou que fosse atingido em tais quantidades a costa brasileira com a amplitude que aconteceu.

Mais de 300 localidades no Nordeste foram atingidas pelas manchas de óleo, e 4,5 mil toneladas de resíduos já foram retiradas, grande parte graças ao trabalho voluntário. Segundo Jean Paul Prates, relator da comissão, o trabalho do colegiado terá três eixos principais de investigação: identificar o poluidor, apontar o responsável pela chegada do petróleo à costa e estabelecer quem tem direito a indenizações e compensações.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/11/07/comissao-vai-investigar-manchas-de-oleo-em-pernambuco-e-rio-grande-do-norte.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Comitê sugere manutenção do bloqueio de cinco obras federais no Orçamento de 2020 — Senado Notícias

O Comitê de Avaliação das Informações sobre Obras e Serviços com Indícios de Irregularidades Graves, …