Cidadania tenta lançar Rachel Sheherazade na política – Congresso em Foco

Tentando se firmar como uma opção partidária reformista na economia e progressista nos costumes, o Cidadania mudou de nome, atualizou seu estatuto e agora busca rostos novos que representem essa renovação. As conversas com Luciano Huck são o maior exemplo disso. Mas o global não é o único famoso que está na mira da legenda. O Cidadania também está tentando filiar a jornalista Rachel Sheherazade. O convite já foi feito e está sendo avaliado pela apresentadora do SBT, que ficou conhecida por conta das opiniões fortes e controversas.

> Lula diz que é preciso imitar o Chile: “atacar e não apenas se defender”

As conversas com Raquel Sheherazade estão sendo conduzidas pelo dirigente nacional da diversidade do Cidadania, Eliseu Neto. Ele explica que conheceu a apresentadora durante a campanha pela criminalização da homofobia, quando Rachel decidiu contribuir com a proposta encampada pelo partido nas redes sociais. “Acabamos ficando amigos. Agora, fui visitá-la no SBT. Fui como amigo, mas acabamos conversando sobre política. Falei que ela devia entrar na política, que devia ser candidata. O convite está feito”, conta Eliseu Neto, que passou alguns dias dessa semana com Raquel Sheherazade em São Paulo.

Eliseu diz que, no primeiro momento, Sheherazade fez ponderações a uma possível filiação, dizendo que tem um compromisso com o jornalismo. “Assim como na política, pela televisão ela também consegue afetar a vida de muitas pessoas”, explicou o dirigente do Cidadania. Ele admite, contudo, que, depois de algumas conversas, esse discurso mudou um pouco.

Segundo ele, a apresentadora do SBT está sim avaliando a possibilidade de se filiar ao Cidadania para entrar na vida política. Em um post publicado no Instagram, Sheherazade até brincou com essa possibilidade. Ao postar uma foto ao lado de Eliseu, ela escreveu: “Meu novo parceiro de bancada? Ou a nova parceira de partido?”. Rachel ainda disse que adorou a conversa com Eliseu e pediu para ele voltar sempre.

A possibilidade de trazer a apresentadora do SBT para os quadros do Cidadania tem animado os integrantes da legenda, que é presidida por Roberto Freire. “Ela é a cara do partido. Liberal na economia e progressista nos costumes”, explicou Eliseu, dizendo que Rachel poderia reforçar a bancada do Cidadania no Congresso Nacional. “Ela tem um público alto para um cargo de relevância. Tem posições firmes. Não é só ser celebridade. É preciso ter clareza, posições políticas definidas. Com certeza ela tem isso, tanto ela quanto o Luciano”, explicou.

“Opção democrática”

Para Eliseu, até o fato de Rachel Sheherazade ter mudado seu posicionamento político nos últimos anos é positivo. Afinal, a ideia do Cidadania com a possível candidatura de Luciano Huck à presidência da República em 2022 é justamente essa: fugir dos extremismos e polarizações direita x esquerda que têm marcado a política brasileira nos últimos anos. Segundo o presidente nacional do partido, Roberto Freire, Huck é uma “opção democrática” frente a “radicalização entre bolsonaristas e lulopetistas”.

Para o Cidadania, a apresentadora do SBT também mostra um pouco disso. Afinal, há algum tempo Sherezade mostrava-se mais alinhada ao pensamento do presidente Jair Bolsonaro. Ultimamente, contudo ela passou a fazer críticas ao governo e apoiou pautas mais progressistas como a criminalização da homofobia. Nessa semana, ela até comemorou nas redes sociais o resultado do julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) que permitiu a soltura do ex-presidente Lula. Ela argumentou que o entendimento da Suprema Corte respeita a Constituição Federal.

“O Cidadania é reformista, entende que é preciso fazer reforma e que o Brasil precisa pensar no futuro. Mas é progressista nos costumes, é responsável pela criminalização da homofobia, tem um debate franco sobre legalização das drogas e aborto, é contra a escola sem partido e não admite que ninguém fale sobre ideologia de gênero. Não tem nenhum partido com essa ideia: a bandeira de identidade, mas também a ideia de um Brasil mais moderno”, argumenta Eliseu Neto.

Tabata Amaral e Luciano Huck

É por conta desse pensamento que o Cidadania também quer atrair para os seus quadros os dissidentes da reforma da Previdência – os deputados que foram punidos pelo PDT e pelo PSB por terem votado a favor da reforma. Entre os nomes já convidados pela legenda, que é presidida por Roberto Freire, estão Tabata Amaral (PDT-SP) e Felipe Rigoni (PSB-ES). E Eliseu garante que o Cidadania tem tido uma boa relação com esses parlamentares, que representam o Movimento Acredito na Câmara.

Aproximar-se de movimentos como o Acredito de Tabata e o Renova BR, que é apoiado por Luciano Huck, por sinal, é outra das metas do Cidadania. O partido até mudou algumas regras de seu estatuto para atrair participantes desse tipo de movimento. “Essa galera quer entrar na política e o partido quer dar essa possibilidade. O partido que ajudar as pessoas que querem fazer a diferença, que querem fazer o melhor a entrarem na política, sejam elas celebridade ou não”, conta o responsável por trazer esse pessoal novo para o time do antigo do PPS.

E é assim, atraindo jovens dos movimentos cívicos e nomes de opiniões fortes como Rachel Sheherazade e Tabata Amaral, que o Cidadania está tentando se renovar e construir o terreno para a candidatura de Luciano Huck. “Huck não pode vir sozinho. Precisa de um time”, explica Eliseu Neto, garantindo, que as conversar com o apresentador da Rede Globo também estão bem encaminhadas.

> Lula convoca Haddad, Freixo e aliados a lutarem todos os dias

Campanha do Congresso em Foco no Catarse

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Flávio e Eduardo Bolsonaro devem integrar comando do novo partido do pai – Congresso em Foco

O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) devem fazer parte da …