Bolsonaro nega apoio à invasão da embaixada da Venezuela – Congresso em Foco

O governo brasileiro classificou como um fato desagradável a invasão da embaixada da Venezuela em Brasília por apoiadores do presidente autoproclamado da Venezuela, Juan Guaidó. Em nota, a presidência da República negou ter incentivado a medida, como sugeriu a oposição após o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) ter manifestado apoio ao grupo de diplomatas pró-Guaidó, e disse que as forças de segurança estão trabalhando para restaurar a normalidade na embaixada.

> Embaixada da Venezuela em Brasília é tomada por apoiadores de Guaidó

O primeiro pronunciamento oficial do governo sobre a ação que desde a madrugada desta quarta-feira (13) tem provocado tumultos na embaixada da Venezuela veio no final da manhã, depois que a oposição sugeriu que o governo teria respaldado a medida e após o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) ter admitido o apoio ao grupo de diplomatas aliados de Guaidó que tomaram a embaixada.

“Diante dos fatos desagradáveis que estão acontecendo na Embaixada da Venezuela, em Brasília, esclarecemos o seguinte: […] o Presidente da República jamais tomou conhecimento e, muito
menos, incentivou a invasão da Embaixada da Venezuela, por partidários do Sr. Juan Guaidó”, diz a nota do governo, que foi enviada à imprensa pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da presidência da República.

A nota ainda garante que “as forças de segurança, da União e do Distrito Federal, estão tomando providências para que a situação se resolva pacificamente e retorne à normalidade”. Porém, critica quem está tentando polemizar o assunto. “Como sempre, há indivíduos inescrupulosos e levianos que querem tirar proveito dos acontecimentos para gerar desordem e instabilidade”, diz o governo.

A confusão na embaixada da Venezuela começou por volta das 4h30 da manhã, quando um grupo de venezuelanos que apoiam Juan Guaidó tomaram o local. Esse grupo, que já nomeou até uma embaixadora no Brasil, diz que foi ao local porque os próprios diplomatas teriam reconhecido o governo de Guaidó. Diplomatas que foram nomeados por Nicolás Maduro e moram na embaixada, contudo, contestam a informação e seguem resistindo à tomada da embaixada.

Representantes da oposição e de movimentos sociais acompanham essa negociação do lado de fora da embaixada e chamam a ação dos aliados de Guaidó de invasão. Dentro da embaixada, o deputado Paulo Pimenta (PT-RS) chegou a chamar os invasores de milicianos e disse que havia indícios de que o governo brasileiro, que reconhece Guaidó como presidente da Venezuela, teria respaldado a invasão da embaixada.

No Twitter, o segundo filho do presidente Jair Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro, não negou nem confirmou essa acusação da oposição. Porém, deixou claro o apoio ao grupo de aliados de Guaidó que tomou a embaixada. Eduardo disse que “ao que parece agora está sendo feito o certo, o justo”.

> Eduardo Bolsonaro defende ação pró-Guaidó na embaixada da Venezuela em Brasília

> Militares venezuelanos definirão destino do país, que tardará a sair da crise, preveem analistas

Campanha do Congresso em Foco no Catarse

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Crédito extra, 2ª instância, CPI das Fake News e saneamento: o dia do Congresso – Congresso em Foco

Na reta final do ano legislativo, o Congresso Nacional tem uma agenda intensa nesta terça-feira …