Governo elege quatro prioridades na Câmara até o fim de 2019. Saiba quais – Congresso em Foco

Restando apenas cinco semanas para o fim do ano legislativo, o governo faz planos modestos na Câmara. Há quatro prioridades na pauta, adiantou ao Congresso em Foco o líder do governo na Casa, Major Vitor Hugo (PSL-GO):

– Votar as medidas provisórias pendentes;

– Aprovar o marco regulatório do saneamento;

– Concluir a redação da reforma da Previdência dos militares na Comissão de Constituição e Justiça, e

– Aprovar na CCJ a reforma administrativa e criar a comissão especial para análise de mérito.

Dos quatro itens, o último é o mais complicado. A proposta que muda as regras de ingresso, permanência e saída do serviço público deve ser entregue pelo Executivo na semana que vem, ainda sem data confirmada, segundo o líder do governo.

O primeiro desafio, porém, será evitar a queda da MP do Médicos pelo Brasil, programa que substitui o Mais Médicos. A medida provisória perderá a validade se não for aprovada nas duas Casas até 28 de novembro. Para que o programa não caia, será necessária uma parceria entre os presidentes da Câmara e do Senado para acelerar a tramitação. A MP que trata de mudanças trabalhistas e de estímulo à geração de emprego, apresentada nesta semana, só será votada em 2020. Não está, por ora, no foco das preocupações governistas. Mas enfrentará resistência quando for pautada.

Tanto a MP do Médicos pelo Brasil quanto o marco regulatório do saneamento deverão constar da pauta da próxima semana. Já a reforma da Previdência dos Militares, aprovada em caráter terminativo na CCJ, aguarda análise final de redação para ser encaminhada ao Senado. O recurso para apreciação em plenário foi derrubado.

Major Vitor Hugo acredita que a reforma administrativa enfrentará menos resistência do que se imagina. “O governo tem a estratégia de mudar as regras apenas para os futuros servidores. Não acreditamos que haverá resistência no nível que houve em relação à reforma da Previdência. Vamos trabalhar para que ela passe na CCJ e seja instalada, este ano, a comissão especial [para análise de mérito]”, disse o deputado. Na Câmara, porém, há quem veja um clima desfavorável para a reforma administrativa, como já mostrou o Congresso em Foco.

O líder do governo é nome certo no partido que será criado pelo presidente Jair Bolsonaro, o Aliança pelo Brasil. Ele afirma que o processo de construção da nova legenda não atrapalhará a pauta de votações no Congresso. “Eu já estou lá.” A expectativa de Vitor Hugo é que a nova bancada largue com 35 deputados. Hoje o PSL tem 53 representantes na Câmara. “Vamos atrair nomes de outros partidos também”, acredita o líder. Dos três senadores da sigla, apenas Flávio Bolsonaro (RJ) deve seguir os passos do pai, como adiantamos ontem.

> Quem deve ir com Bolsonaro para o novo partido

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Senado discute mudança na transferência de recursos a municípios – Congresso em Foco

O Senado começa a semana sem pauta definida em plenário. O acerto deve sair da …