Votação da prisão em segunda instância fica para a semana que vem – Congresso em Foco

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados não conseguiu votar a proposta de emenda à Constituição que retoma a prisão em segunda instância, revertendo o entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) que permitiu a soltura do ex-presidente Lula. A comissão discutiu o assunto por mais de 12 horas nessa terça-feira (12), mas encerrou a sessão tarde da noite, adiando novamente a votação sobre o assunto, porque o debate continuava acirrado entre os deputados. Com isso, a discussão só será retomada na próxima semana, quando o assunto também será pautado na CCJ do Senado, já que o Congresso Nacional está fechado no restante desta semana em virtude da Cúpula dos Brics.

> Presidente da CCJ diz que Congresso só aprova segunda instância em 2020

A sessão dessa terça-feira da CCJ começou com o presidente do colegiado, Felipe Francischini (PSL-PR) afirmando que havia um acordo de procedimento que permitiria a votação da PEC da segunda instância. Segundo o acordo, que foi firmado após a sessão extraordinária dessa segunda-feira (11) ser marcada pela obstrução da oposição, apenas um requerimento de retirada de pauta seria apresentado pela oposição. Em contrapartida, todos os deputados que se inscreveram para argumentar a favor e contra a proposta teriam tempo de fala durante a sessão.

Quase 100 deputados, contudo, se inscreveram para falar sobre o assunto. Por isso, o debate sobre a PEC da prisão em segunda instância não foi encerrado nesta terça-feira. Após mais de 12 horas de sessão, 43 deputados puderam falar sobre o assunto.

Na lista de inscritos, estão parlamentares que defendem a prisão em segunda instância como uma forma de garantir o combate à corrupção, reduzir a sensação de impunidade e dar segurança jurídica ao Brasil. Mas também muitos deputados contrários à proposta. Esse grupo reclama que a PEC é inconstitucional porque altera o artigo 5º da Constituição, que é uma cláusula pétrea. A crítica fez até o autor da PEC que está em análise na CCJ, o deputado Alex Manente (Cidadania-SP), apresentar um texto alternativo para retomar a prisão em segunda instância sem mexer no artigo 5º.

Apesar desse debate acirrado, Manente espera que a PEC da prisão em segunda instância seja votada na próxima semana, quando o Congresso retomar suas atividades depois da Cúpula dos Brics. Uma sessão da CCJ da Câmara já está convocada para a próxima terça-feira (19).

Na próxima quarta-feira (20), o tema também será pautado na CCJ do Senado, onde a senadora Simone Tebet (MDB-MS) disse ter costurado um acordo para construir um texto constitucional sobre a prisão em segunda instância que tenha condições de ser aprovado nos plenários da Câmara e do Senado. Para Simone, até a pausa nos debates nesta semana, ocasionada por conta dos Brics, será boa, pois pode ajudar a serenar os ânimos sobre o assunto.

*Com informações da Agência Câmara

> Partidos prometem segurar votações até Congresso aprovar prisão em 2ª instância

> Senado fecha acordo para votar prisão em segunda instância, diz Simone Tebet

Campanha do Congresso em Foco no Catarse

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Dilma cobra explicações de Villas Bôas sobre “estado de defesa” – Congresso em Foco

Comandante do Exército nos governos Dilma e Temer, o general Villas Bôas disse, em entrevista …