TJSP finaliza transferência de arquivo para Jundiaí – AASP

Operação foi concluída no último dia 8.

 

O Tribunal de Justiça de São Paulo, após minucioso estudo, pensando na conservação dos processos e documentos de interesse histórico e cultural, e na redução do acervo físico, inovou na metodologia utilizada para a guarda de processos arquivados. Em abril, o TJSP contratou empresa para guarda e gerenciamento do Arquivo Geral e iniciou a ação que movimentou mais de nove milhões de volumes de processos de prédios do Tribunal para a base da empresa, que fica em Jundiaí. O objetivo é intensificar a catalogação dos autos, diminuir os custos operacionais (locação, mão de obra e transporte), com resultado de economia de R$ 7,6 milhões (47,8% de redução do gasto atual).

A transferência do acervo teve início em 14 de maio, com prazo de seis meses para conclusão. A ação seguiu o cronograma e contou com esforços conjuntos de diversos setores do TJSP e foi cumprida com êxito no último dia 8. No total, 915.192 caixas, que equivalem a, aproximadamente, 9.151.920 volumes de processos foram realocados. Com a mudança, o número de processos catalogados passa de 20 mil processos/ano para 210 mil/mês, totalizando 2,5 milhões anualmente. Esse salto de produção será bem mais impactante para o cumprimento da Recomendação nº 37/11 (Conselho Nacional de Justiça) e da Resolução nº 822/19 (Tribunal de Justiça de São Paulo), que preveem a identificação dos processos, respeitando-se diretrizes de gestão documental e tabela de temporalidade.

De acordo com o vice-presidente do TJSP e presidente da Comissão Gestora de Arquivo, Memória e Gestão Documental, desembargador Artur Marques da Silva Filho, já está em curso, junto ao CNJ, alteração das tabelas de temporariedade e classificação dos documentos. “A alteração permitirá que a guarda se restrinja aos processos que efetivamente contenham valor histórico, informativo e probatório”, explica. O magistrado destaca, ainda, que “a unificação da operação do sistema de arquivos do Tribunal foi indispensável para melhoria da gestão e redução dos custos”.

A juíza assessora da Presidência (Tecnologia, Gestão e Contratos), Ana Rita de Figueiredo Nery, que acompanhou o processo de transferência dos volumes dando suporte necessário aos setores envolvidos, também ressalta a importância do projeto, que foi chamado de “Operação Jundiaí”. “Para o Judiciário paulista, o grande resultado dessa catalogação maciça, além da redução dos custos com documentos arquivísticos, é a guarda seletiva dos documentos e processos que revelam a história e atuação de nossa instituição e de nossa da sociedade”.

Acompanharam a ação de transporte e desmobilização do Arquivo do TJSP a Secretaria de Primeira Instância (SPI); a Secretaria de Administração e Abastecimento (SAAB); o Grupo Técnico de Assessoria Jurídica (GTAJ); e a Comissão Gestora de Arquivo, Memória e Gestão Documental do TJSP.

 

Comunicação Social TJSP – TM (texto) / KS (fotos)

        imprensatj@tjsp.jus.br

Fonte: TJSP

Fonte Oficial: AASP.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Alexandre Padilha defende apoio do PT a aliados em 2020 – Congresso em Foco

O médico Alexandre Padilha encarnou o papel de ministro das Relações Institucionais no governo Lula, …