General defende Bebianno e diz que filhos de Bolsonaro geram crise política – Congresso em Foco

O general Paulo Chagas publicou na noite de sexta-feira (15) um texto defendendo o ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência Gustavo Bebianno.

“Bebianno foi, nesse ínterim, o mais próximo, leal, e confiável membro do staff do candidato Jair Bolsonaro, condição que o converteu em alvo injustificável da desconfiança e da antipatia de Carlos Bolsonaro, o filho que, segundo a mídia, é o mais protegido pelo pai”, escreveu o general em seu perfil no Facebook.

>Bebianno a Eduardo Bolsonaro: “jamais abri a boca para contar o que sei”

Chagas foi candidato ao governo do Distrito Federal em 2018 pelo PRP com o apoio do então candidato a presidente Jair Bolsonaro.

O general afirmou que a interferência de seus filhos no modo de governar é o que permite que a administração de Jair Bolsonaro sofra “crises políticas”.

“Como observador, como eleitor e como apoiador do Governo Bolsonaro, vejo este e outros casos que envolvem o Presidente e seus filhos como as origens e a essência de grande parte das ‘crises políticas’ que puseram e ainda põem em risco a sua imagem e a do seu governo, a confiança e a expectativa do seu eleitorado e dos seus apoiadores e que dão, à imprensa adversa e à oposição, a munição necessária para tentar desestabilizar o governo e atrapalhar as operações de combate aos maus hábitos e de reconstrução física e moral do Brasil”, declarou.

Na publicação, o militar criticou o episódio recente no qual o ex-ministro foi acusado de ser o responsável para que o hoje deputado Luiz Phillippe de Orleans e Bragança (PSL-SP) não fosse escolhido candidato a vice-presidente de Jair Bolsonaro.

“Gustavo Bebianno foi transformado em traidor e em bode expiatório daquela crise familiar e, agora, de uma possível mágoa do Deputado Luiz Philippe de Orléans e Bragança por ter sido rejeitado para o cargo de Vice-presidente da República. Algo, para mim, lamentável e decepcionante”.

Bebianno presidiu o PSL a pedido do próprio candidato em 2018 durante a campanha eleitoral. Perdeu a condição de homem de confiança do presidente em fevereiro, quando foi demitido do governo após entrar em colisão com o vereador Carlos Bolsonaro (PSC), filho do presidente e irmão de Eduardo. Desde então passou a ser alvo da artilharia de bolsonaristas e a revidá-los.

Campanha do Congresso em Foco no Catarse

 

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Dilma cobra explicações de Villas Bôas sobre “estado de defesa” – Congresso em Foco

Comandante do Exército nos governos Dilma e Temer, o general Villas Bôas disse, em entrevista …