Processo Judicial Eletrônico é implantando na 4ª Vara Cível de Tangará da Serra – AASP

Os novos processos que chegarem à 4ª Vara Cível da Comarca de Tangará da Serra (239 km a médio-norte de Cuiabá) nesta segunda-feira (18) poderão tramitar eletronicamente, e a partir do dia 19 de dezembro (quinta-feira), a distribuição pelo meio eletrônico será obrigatória. É que a Vara implantou o Processo Judicial Eletrônico (PJe).

De acordo com o assessor de gabinete da unidade jurisdicional Ricardo Oliveira Lima, a implantação do PJe foi antecipada a pedido do titular da Vara, juiz Francisco Ney Gaíva. “Temos cerca de 20 mil processos tramitando na Vara e no final do ano a expectativa é de aumentar este volume em 2 mil a 3 mil processos de Execução Fiscal devido ao ingresso de processos pelo município ou Estado antes de fechar o ano fiscal”, explica. “Pensando nisto, o juiz solicitou ao Tribunal que a implantação ocorresse ainda em novembro, com obrigatoriedade a partir de dezembro”, completa.

Os processos que tramitam no meio físico irão continuar assim, apenas os novos passam a ser distribuídos pelo sistema. “Isso representa mais modernidade para a Vara e mais celeridade no tramite processual, isso sem falar na questão ecológica com a encomia de papel e sanidade do ambiente”, analisa o assessor.

Ricardo trabalha há nove anos com o juiz Francisco Gaíva e já passou por unidades que tiveram a implantação do sistema eletrônico. Para ele, esse é um caminho sem volta. “Sentimos muita diferença no dia a dia. Imagina ter que parar o que estamos fazendo para procurar um processo físico. Com o PJe é só fazer a busca no sistema. Além disso é possível fazer movimentações de casa durante os plantões e o juiz assinar eletronicamente com o token físico e agora com o web ClikJud”, antecipa.

No início de novembro (de 6 a 8), servidores da 4ª Vara Cível de Tangará participam de treinamento sobre o PJe, na Escola dos Servidores, em Cuiabá. Nesta segunda-feira (18), os operadores do Direito puderam se capacitar na OAB sobre a ferramenta e durante o Judiciário em Movimento, que será realizado de 25 a 30 de novembro em Tangará, aqueles que não puderam passar pela capacitação na Escola de Servidores farão o treinamento On the job, na mesa de trabalho.

PJe – Sistema criado pelo CNJ para substituir a tramitação de autos em meio físico para meio eletrônico. É um instrumento de celeridade e qualidade na prestação jurisdicional. Além de controlar a tramitação de processos, ele visa ainda à padronização de todos os dados e informações compreendidas pelo processo judicial. Outro ponto positivo é a produção, registro e publicidade dos atos processuais, além de ser uma fonte de dados importante para os diversos órgãos de supervisão, controle e uso do sistema judiciário.

O Processo Judicial Eletrônico é considerado uma ferramenta segura, uma vez que para acessá-lo é obrigatório o uso de assinatura digital. Os usuários têm acesso às funcionalidades do PJe de acordo com o perfil que lhes for atribuído no sistema e em razão da natureza de sua relação jurídico-processual.

Alcione dos Anjos

Coordenadoria de Comunicação do TJMT

imprensa@tjmt.jus.br

(65) 3617-3393/3394/3409

Fonte: TJMT

Fonte Oficial: AASP.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Sancionada com vetos lei que prevê ações para prevenir Covid-19 entre indígenas e quilombolas – AASP

Itens vetados por Jair Bolsonaro incluem trechos que obrigavam governo a garantir acesso a água …