Sessão solene homenageia centenário de nascimento do ministro Djalci Falcão (1919-2012) – STF

O Supremo Tribunal Federal (STF) realizou, nesta quinta-feira (21), sessão solene em homenagem ao centenário de nascimento do ministro Djaci Falcão (1919-2012), que atuou na Corte por 22 anos, entre 1967 e 1992, tendo presidido o Tribunal no biênio 1975/1977. Ao abrir a sessão, o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, ressaltou que a homenagem marca a retomada de “uma valiosa tradição da Corte”, que é a celebração dos centenários de nascimento de seus ministros. “Serão todos devidamente homenageados em solenidades especialmente designadas para isso. Esses grandes homens ajudaram a construir a história desta Corte e, por consequência, a história de nossa República e de nosso País”, assinalou.

Falando em nome do STF, o ministro Luiz Fux, atual ocupante na linha sucessória da cadeira de Falcão, afirmou que o homenageado foi “um dos maiores expoentes da magistratura brasileira” e destacou sua retidão, equilíbrio, serenidade e lucidez no exercício da magistratura e do magistério. O ministro Fux lembrou que Falcão foi o magistrado mais jovem de Pernambuco, tendo passado no concurso aos 25 anos. Destacou dois momentos marcantes da sua atuação na magistratura estadual: quando firmou jurisprudência pioneira no sentido de que a tuberculose era uma das doenças causadas pelas condições agressivas do trabalho e quando derrubou ato da Assembleia Legislativa que concedia verbas improcedentes aos deputados estaduais.

O ministro Djaci Falcão foi professor da Universidade Federal de Pernambuco e da Universidade Católica e autor de diversas obras jurídicas. Entre os casos emblemáticos relatados por Falcão no STF, destacam-se ações em que decidiu pela inexistência de responsabilidade civil por ato jurisdicional, pela reparação pelo direito comum em caso de falta grave do empregador e pelo reconhecimento da condição de herdeiro ao filho nascido de adultério.

PGR

Em seu discurso, o procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou que Djaci Falcão deixou um legado, não apenas quanto à ciência jurídica nacional, mas também quanto ao seu exemplo de magistrado. A despeito de ser alçado às mais altas Cortes, “mantinha-se sereno e humilde como deve ser para aquelas que adotam o sacerdócio da magistratura”. Falcão, ressaltou Aras, era verdadeiramente modesto e trazia consigo, além do grande preparo, experiência e estudo, muita fé. “Destacaram-se ainda a sua sensibilidade e compreensão humanas que sobrepujava a aridez técnico-legal visando a garantir direitos e valores de relevo social”, afirmou.

OAB

Pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Marcos Vinicius Furtado Coelho afirmou que celebrar o centenário de nascimento do ministro Djaci Falcão é prestar reverência à história do Supremo “e ao seu relevantíssimo papel na guarda da Constituição da República e da ordem democrática brasileira”. Furtado ressaltou que, durante 44 anos, o homenageado dedicou-se ao Poder Judiciário atuando incansavelmente no dever da realização da Justiça. “Seu trabalho sem trégua, a consistência de suas ideias e seu talento na arte de interpretar e aplicar o Direito nos inspira a todos. Foram décadas de dedicação total à vocação da judicatura, externando admiráveis virtudes como a humildade e a fraternidade, seja nos votos proferidos seja na conduta cordial com seus pares”, disse.

Autoridades presentes

Participaram da sessão o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, os ministros aposentados do STF Francisco Rezek, Sepúlveda Pertence, Ilmar Galvão e Ayres Britto, a vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministra Maria Thereza de Assis Moura, os ministros André Mendonça (Advocacia-Geral da União), Fernando Azevedo Silva (Defesa), Jorge Oliveira (Secretaria-Geral da Presidência da República), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), o presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), José Múcio Monteiro, e o ex-presidente da República José Sarney. O ministro do STJ Francisco Falcão, filho do homenageado, compareceu à homenagem com a família.

Biografia

O ministro Djaci Falcão nasceu em 4 de agosto de 1919 e faleceu, de causas naturais, no dia 26 de janeiro de 2012. Natural da cidade de Monteiro (PB), foi ministro do STF por 22 anos, e ocupou a cadeira de número sete. Ele assumiu o cargo no STF em 22 de fevereiro de 1967, na vaga aberta em decorrência da aposentadoria do ministro Antônio Martins Vilas Boas, e nele permaneceu até 26 de janeiro de 1989, quando foi sucedido pelo ministro Paulo Brossard. Presidiu a Suprema Corte no biênio de 1975/1977 e, pouco antes, também presidiu o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Graduado pela Faculdade de Direito do Recife, Djaci Falcão chegou à Presidência de todos os tribunais que integrou ao longo de sua vida na magistratura, como o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJ-PE) e o Tribunal Regional Eleitoral do mesmo estado (TRE-PE).

Exposição

Após a sessão solene, o ministro Dias Toffoli abriu a exposição em memória do jurista, instalada no Hall dos Bustos, no térreo do edifício-sede do STF. A atuação de Djaci Falcão no STF foi marcada por diversas realizações, como expõe a mostra. Entre elas, a participação em comissão que auxiliou na Reforma do Poder Judiciário (1977), a concepção do Museu do Supremo e a parceira com a Universidade de Brasília (UnB) para a informatização de processos. Quanto a melhorias para os servidores da Casa, destacam-se a modernização de equipamentos e a contratação de médicos.

Fotografias originais, indumentárias, objetos pessoais cedidos pela família e documentos estão reunidos na exposição. A mostra reúne ainda registros do ministro Djaci Falcão desde a infância na Paraíba até a posse no STF, destacando julgamentos relevantes. Um pôster amplia fotografia do ministro na juventude, quando serviu ao Exército em 1944. Outra imagem retrata o casamento com Dona Maria do Carmo, com quem teve três filhos.

A exposição pode ser visitada até o fim de dezembro, das 10h às 18h. O STF dispõe de visitas guiadas, inclusive com possibilidade de agendamento para grupos de pessoas com deficiência auditiva, que são acompanhadas por guia e intérprete de Libras.

MC, RP, SP/VP

Fonte Oficial: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=430466.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Governador do RJ questiona obrigação legal de destinar recursos dos royalties petróleo à saúde e à educação – STF

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, ajuizou a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) …