Deputados apelam a Maia e Alcolumbre por MP do novo Mais Médicos – Congresso em Foco

Integrantes da Frente Parlamentar da Saúde pressionam os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), a impedirem que a medida provisória que cria o programa Médicos pelo Brasil, sucessor do Mais Médicos, perca a validade. É o que ocorrerá se a proposta não for aprovada pelas duas casas até a próxima quinta-feira (28). A MP, porém, ainda enfrenta outro grande desafio: a falta de entendimento entre deputados e o governo sobre o texto final.

Maia e Alcolumbre tem demonstrado disposição em negociar. O presidente da Câmara pautou a votação da medida provisória para a próxima terça-feira. A MP era o principal item da pauta das últimas semanas, mas não foi votada por decisão dos líderes, sobretudo os do chamado Centrão. Já o presidente do Senado, que tem se recusado a votar medidas em cima do prazo de vencimento, admite abrir uma exceção nesse caso. “Ela é importante, tem que votar, vou falar com os senadores. A gente tem que votar, mesmo faltando um dia [para expirar] a gente vai botar para votar”, afirmou Davi Alcolumbre.

Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta já cogita apresentação de projeto de lei para instituir o Médicos pelo Brasil. Foto: José Cruz/ABr

Com receio de que a MP caduque, o governo já trabalha na elaboração de um projeto de lei sobre o assunto. O inconveniente da alternativa, para o Ministério da Saúde, é que não há prazo para votação desse tipo de proposição. A pasta pretendia começar as contratações no início do ano que vem.

O atraso na votação está relacionado à insatisfação de parte da Câmara com o Executivo. Deputados insatisfeitos com o ritmo da liberação das emendas parlamentares negociadas com o Planalto durante a votação da reforma da Previdência ameaçam não votar propostas de interesse do Executivo até que o acordo seja cumprido. O presidente Jair Bolsonaro ouviu as queixas de um grupo de deputados ontem e se comprometeu a intermediar uma solução com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Bolsonaro já sinalizou para o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que pretende vetar trechos da MP caso seja aprovada a versão que saiu da comissão mista. Bolsonaro não aceita a emenda que prevê reajuste salarial para médicos federais nem a que abre para os estados a possibilidade de contratação de profissionais por consórcios, inclusive organizações estrangeiras. Esse último ponto tem sido chamado pelos parlamentares contrários à emenda de o “Mais Médicos dos estados”, por seguir a mesma lógica do programa petista.

Relatório da discórdia

As alterações foram acolhidas pelo senador Confúcio Moura (MDB-RO), que relatou a MP na comissão mista. Parlamentares ligados a entidades médicas não aceitam o relatório e tentam restabelecer o texto original da medida.

Eles contestam a permissão para que intercambistas cubanos atuem no país sem registro dos conselhos de Medicina e sem a aprovação em exame de revalidação de diplomas de medicina obtidos no exterior, o Revalida. Não aceitam, ainda, a possibilidade de o Revalida ser realizado também por faculdades privadas nem a contratação por consórcios.

Dr. Luizinho defende que apenas instituições privadas com alto conceito no MEC possam realizar o Revalida. Foto: Agência Câmara

Um grupo de deputados defende que universidades particulares com alto conceito no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), que avalia o rendimento dos estudantes que concluem os cursos de graduação, também possam aplicar o Revalida, e não apenas instituições públicas. “Não vejo problema em se permitir a participação de universidades de bom conceito. O temor é que, liberando para todas, crie-se uma indústria de diplomas”, explica o deputado Dr. Luizinho (PP-RJ), ex-secretário de Saúde do Rio de Janeiro.

A deputada Carmen Zanotto (Cidadania-SC) fez um apelo ao presidente da Câmara durante reunião na noite dessa quarta-feira (20). “Vamos continuar trabalhando para votar a MP. Vou insistir com o presidente Rodrigo Maia”, disse a catarinense ao Congresso em Foco. “É fundamental a aprovação dessa medida. Como vão ficar as cidades sem profissionais médicos?”, questiona.

Eventual queda da MP vai prejudicar cidades desassistidas de médicos, adverte Carmem Zanotto. Foto: Ag. Câmara

O Médicos pelo Brasil define novos critérios para realocação dos profissionais considerando locais com maior dificuldade de acesso, transporte ou permanência dos servidores, além do quesito de alta vulnerabilidade. O texto ainda prevê formação de médicos especialistas em medicina da família e comunidade.

Revalida

Criador do Mais Médicos no governo Dilma, o ex-ministro da Saúde e deputado Alexandre Padilha (PT-SP) diz que o PT apoia a versão aprovada pela comissão mista. Mas não aceita o texto original. Para ele, a eventual queda da MP 890 deve ser atribuída à desarticulação política do governo. Ele também cobra o preenchimento de 3 mil vagas ociosas entre as 18 mil do Mais Médicos. Atuam no programa 5 mil profissionais formados no exterior sem diploma revalidado e outros 10 mil médicos com registro no Conselho Regional de Medicina. “Faz um ano que o governo mandou os médicos cubanos embora e não repôs”, critica o deputado.

Padilha, Dr. Luizinho e Carmem Zanotto estão entre os deputados que apoiam a realização do Revalida duas vezes por ano, proposta incluída na MP. O exame não é realizado desde 2017, o que tem impedido brasileiros formados no exterior e estrangeiros que atuam no Brasil de obterem seus registros profissionais no Brasil. Temendo que a medida perca a validade, parlamentares da área da saúde conseguiram aprovar a urgência, nessa quarta-feira, de um projeto de lei do deputado Hiran Gonçalves (PP-RR) que prevê a realização periódica da prova. O texto exclui a possibilidade de participação de universidades particulares.

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Dilma cobra explicações de Villas Bôas sobre “estado de defesa” – Congresso em Foco

Comandante do Exército nos governos Dilma e Temer, o general Villas Bôas disse, em entrevista …