Reestruturação da carreira militar é superavitária, garante governo — Senado Notícias

O projeto que reestrutura a carreira militar (PL 1.645/2019) trará economia para as contas públicas e demonstra que a categoria está dando sua contribuição para os esforços de ajuste fiscal tanto a nível federal quanto nos estados. Essa foi a essência das falas do ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, e do secretário de Previdência do Ministério da Economia, Rogério Marinho, na audiência que debateu o projeto nesta quinta-feira (21) na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE).

— Só nos estados brasileiros, a economia será superior a R$ 53 bilhões nos próximos 10 anos. Isso graças ao espelhamento da carreira das Polícias Militares com as das Forças [Armadas], contando neste processo com a anuência, colaboração e participação ativa das lideranças das PMs. E no todo, o projeto é superavitário ao Tesouro Nacional, já a partir do primeiro ano de sua implementação — garantiu Marinho.

Os ministros participaram do debate dias depois de o projeto ter sido aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara e enviado ao Senado, o que aconteceu m 19 de novembro.

— A reestruturação da carreira militar é superavitária e auto-sustentável. Valoriza a meritocracia, além de reforçar a hierarquia e a disciplina. Valoriza também a carreira militar como carreira de Estado, contribuindo para a atração e retenção de talentos, que temos perdido nos últimos anos. O projeto é adequado às peculiaridades da carreira — detalhou Azevedo e Silva.

Reparações de perdas

O projeto é relatado na CRE pelo senador Arolde de Oliveira (PSD-RJ). Ele disse estar em sintonia com o objetivo da proposta, anunciado por Azevedo e Silva, de reparar perdas salariais nos últimos 20 anos. O senador Major Olímpio (PSL-SP) tem participado das negociações desde que a proposta estava na Câmara, e defende que o Senado a aprove ainda este ano.

— Existem impactos que precisam estar previstos no Orçamento da União para 2020. Então, temos a obrigação de aprovar a reestruturação até o final deste ano. E, no mérito, o projeto equilibra um pouco a carreira militar com outras categorias. Mas é bom deixar claro que o equilíbrio ainda não se faz. Nas carreiras de auditores e na magistratura, a velocidade com que se chega ao salário maior da carreira é bem maior. O general Azevedo e Silva por exemplo levou mais de 40 anos em dedicação exclusiva para chegar ao generalato — afirmou Major Olímpio.

Rogério Marinho concordou com o senador, e pediu que o Senado, “de preferência”, aprove o projeto sem fazer nenhuma mudança.

— Nos últimos 20 anos, a carreira militar se diferenciou demais de outras carreiras. Um general de quatro estrelas hoje, no final da carreira, ganha 60% do que recebe um auditor ou procurador. A reestruturação é fruto de uma parceria dos ministérios da Economia e da Defesa, teve mudanças pontuais na Câmara, e esperamos que o Senado agora mantenha o texto. Isso evitará que ele volte à Câmara — deixou claro Marinho.

Superávit

Na apresentação, o general Azevedo e Silva afirmou que o PL 1.645/2019 configura na prática um novo sistema de proteção social aos militares. Ele apresentou um estudo do Ministério da Defesa apontando que a reestruturação gerará um superávit próximo a R$ 34 bilhões ao governo federal até 2029, e superior a R$ 23 bilhões entre 2030 e 2035. E a partir de 2036, o superávit anual girará em torno de R$ 2,5 bilhões.

Isso será possível, entre outros pontos, porque haverá um reajuste nas alíquotas de contribuição para o sistema. Hoje, ativos e inativos recolhem uma alíquota de 11% sobre o vencimento bruto, e pensionistas, 3,5%. Com a reestruturação, ativos, inativos e pensionistas passarão a recolher 14%.

Além disso, o texto também aumenta o tempo de serviço mínimo para aposentadoria de 30 para 35 anos e reduz o rol de dependentes e pensionistas. O aumento das receitas também virá da redução de efetivos que ingressam nas escolas militares, da substituição de militares de carreira por temporários, e da universalização dos contribuintes para a pensão militar.

O projeto também reformula o adicional de habilitação, buscando, segundo o governo, retribuições por mérito. Também cria o adicional de compensação por disponibilidade militar, “para valorizar a disponibilidade permanente e a dedicação exclusiva”, de acordo com o ministro da Defesa. Por fim, o projeto incrementa a ajuda de custo, de forma a cobrir despesas de realocações dos militares e suas famílias pelo território nacional.

Desigualdade

No fim da audiência, o presidente da CRE, Nelsinho Trad (PSD-MS), leu perguntas de internautas questionando porque a reestruturação, na prática, proporcionará ganhos salariais maiores para as cúpulas do que para as bases da carreira. Na resposta, Azevedo e Silva garantiu que essa discriminação não existe.

— Não há reajustes, há a valorização da carreira. Seja para oficiais ou praças, e todos podem galgar as mesmas porcentagens. Tem cursos para oficiais até o posto de coronel, que é o ápice da carreira. E tem cursos para praças, que vai até subtenente, com as mesmas porcentagens — disse o general, que também elogiou as corporações das polícias militares e dos corpos de bombeiro estaduais por ajudar na aprovação do projeto na Câmara.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/11/21/reestruturacao-da-carreira-militar-e-superavitaria-garante-governo.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Paim defende testagem obrigatória de trabalhadores — Senado Notícias

O senador Paulo Paim (PT-RS) defendeu, em pronunciamento nesta quinta-feira (9), uma campanha nacional em …