Atenção a egressos: municípios do RJ inauguram Escritório Social

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) participou na sexta-feira (29/11) do lançamento de duas unidades do Escritório Social, estruturas que oferecem assistência a pessoas egressas do sistema prisional. Fomentadas pelo CNJ por meio do programa Justiça Presente, as unidades foram inauguradas em Maricá e Niterói, no Rio de Janeiro – os municípios e o governo do estado serão parceiros na gestão dos locais. O Justiça Presente é uma parceria do CNJ com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) e apoio do Ministério da Justiça e Segurança Pública para enfrentar problemas estruturais no sistema prisional e no socioeducativo.

O secretário-geral do CNJ, Carlos Vieira von Adamek, participou das inaugurações na semana passada. Em Maricá, onde o Escritório Social fica localizado no bairro de Araçatiba, elogiou as dependências com oito salas. “Esse é um equipamento bastante moderno e propício ao trabalho que se pretende desenvolver aqui, que é o acolhimento e a reintegração do egresso do sistema penitenciário à nossa sociedade”, avaliou Adamek. “A importância disso, na verdade, é o que estamos fazendo para a melhoria na segurança pública de todos. Esse escritório trabalhará com a reintegração das pessoas para que não voltem a reincidir no crime e, com isso, quem ganha é a sociedade.”, disse.

O coordenador do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário (DMF/CNJ), Luís Geraldo Lanfredi, também acompanhou os eventos e destacou o caráter inédito da ação do Conselho. “Fortalecer a política de pessoas egressas é essencial para qualificar qualquer debate sobre os sistemas penal e carcerário. E desde 2016 o CNJ fomenta esse modelo de gestão compartilhada entre Judiciário e Executivo parta o Escritório Social. O Estado deve providências a estas pessoas, e atua com algum sentido quando o faz para atenuar as vulnerabilidades crônicas dessa população”, afirmou Lanfredi. “Esse suporte é o que os Escritórios Sociais buscam disseminar: permitir a ressignificação a partir da singularidade de cada apenado, encaminhando-lhes individualmente a partir do potencial e da capacidade que todos têm de produzir e ocupar posições socialmente úteis. Esse é o sentido eficaz da reintegração social, e é o que se busca com essa política.”

Em Maricá, o trabalho será realizado por meio do Centro de Referência de Egressos e Familiares e Atendimentos às Famílias de Pessoas Privadas de Maricá (Crefam), criado pela Secretaria de Políticas Inclusivas. “Iremos participar de todo esse processo junto com as demais secretarias para o fortalecimento dos vínculos desses familiares de egressos para que possamos diminuir a pobreza, o cárcere e que possamos dar o direito do cidadão de se reciclar e renovar”, afirmou Scheila Pinto, secretária da pasta. A estrutura terá a parceria da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca, que vai capacitar os egressos para atuarem na horta comunitária, entre outras ações.

Já em Niterói, onde o Escritório Social deve começar a funcionar em fevereiro no Terminal Rodoviário João Goulart (Centro), uma equipe multidisciplinar será colocada à disposição das pessoas egressas e seus familiares e se encarregará de definir um plano individual de socialização para cada um deles. Todos receberão orientação vocacional, apoio em serviços de assistência à saúde, psicossocial, qualificação, capacitação e encaminhamento profissional e educacional, valorizando o resgate da cidadania das pessoas presas como forma de facilitar a inclusão social, conforme diretriz da gestão do ministro Dias Toffoli no CNJ.

“O Escritório Social, um programa do CNJ, tem uma sensibilidade absolutamente extraordinária, por isso nos engajamos. Com o Escritório Social, estamos começando a tratar a face mais invisível da segurança pública, já que a face mais visível é a polícia na rua. Se não reinserirmos esses cidadãos que cumprem pena, ao sair eles vão ser reincidentes, reforçando as taxas de criminalidade. E isso não queremos”, disse o prefeito do município, Rodrigo Neves.

Para o coordenador de defesa criminal da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro, Emanuel Queiroz Rangel, o Escritório Social é a primeira experiência de apoio efetivo aos egressos do sistema prisional. “O que se faz no ambiente da segurança pública no Brasil é punir apenas, como se essas pessoas não existissem e não tivessem família. Se esquece que essas pessoas vão voltar para o território que habitavam antes do encarceramento. O grande diferencial do Escritório Social é essa opção de política voltada para os egressos e seus familiares”, destacou.

Além do prefeito e de integrantes do CNJ, também participaram da solenidade o presidente da OAB/Niterói, Cláudio Vianna, representantes do Tribunal de Justiça do Rio, da Defensoria Pública do Estado, secretários municipais, vereadores e líderes comunitários.

Expansão e qualificação

Com Rio de Janeiro, já são quatro os estados que aderiram aos Escritórios Sociais na gestão do ministro Dias Toffoli – Roraima, Paraíba e Alagoas firmaram acordos para inauguração do serviço em novembro. Estão previstas inaugurações em pelo menos mais 10 estados nos próximos meses.

As estruturas estão sendo replicadas segundo o modelo idealizado pelo DMF/CNJ e implantado no Espírito Santo desde 2016, que propõe a gestão compartilhada entre Judiciário e Executivo. A proposta do Escritório Social é reunir, em um mesmo local, atendimentos e serviços para dar suporte aos egressos do sistema prisional e às suas famílias em áreas como saúde, educação, qualificação, encaminhamento profissional, atendimento psicossocial e moradia.

Para qualificar o atendimento nos Escritórios Sociais e fomentar uma política nacional para pessoas egressas, o Justiça Presente realizou, durante o mês de novembro, seis eventos regionais de formação que capacitaram 300 pessoas em metodologias criadas pelo programa (singularização no atendimento e mobilização de pré-egressos). Os participantes também tiveram contato com estratégias de mobilização de redes de instituições da sociedade civil e do Poder Público e com marcadores sociais de diferenças, principalmente questões de raça e gênero.

Iuri Tôrres
Agência CNJ de Notícias, com informações das Prefeituras de Maricá (RJ) e Niterói (RJ)

 

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/municipios-do-rj-inauguram-escritorio-social-para-atencao-a-pessoas-egressas/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=municipios-do-rj-inauguram-escritorio-social-para-atencao-a-pessoas-egressas.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Mais de 800 mil atendidos na XIV Semana Nacional de Conciliação

Separação amigável e reconstrução de laços. Direito ao nome social e pacificação comunitária. A garantia …