TJAC utiliza Inteligência Artificial para identificar processos vinculados a precedentes – AASP

Iniciativa busca agilizar a análise e reduzir o estoque dos processos pendentes, indicando uma nova fila de fluxo de trabalho.

A partir desta segunda-feira, 2, magistrados e assessores do Poder Judiciário do Acre contam com uma novidade no Sistema de Automação da Justiça (SAJ). Uma nova fila no fluxo de trabalho mostrará processos candidatos a sobrestamento, selecionados a partir da leitura do acervo de processos pendentes por uma Inteligência Artificial. Caberá aos magistrados validar ou não a vinculação de cada processo sugerido a um dos temas de precedentes.

Essa nova funcionalidade é resultado do projeto LEIA Precedentes, feito em conjunto entre o Núcleo de Gestão de Precedentes do TJAC e a Softplan, empresa responsável pelo SAJ. Na Corte Acreana, a Inteligência Artificial leu 72.315 petições iniciais de processos pendentes. Destes processos, 5.680 foram classificados dentro de 50 temas precedentes, tornando-os candidatos ao sobrestamento.

No Brasil inteiro, do estoque de 80 milhões de processos pendentes, apenas 6% foram vinculados a algum dos 3,8 mil temas precedentes. Destes, o TJAC tem até então apenas 2.594 processos sobrestados. Isso tudo analisado de forma manual. Já nesta primeira etapa, a LEIA Precedentes indicou o dobro de processos e em menos tempo.

“A inteligência artificial LEIA Precedentes é mais uma ferramenta importante que o Tribunal de Justiça do Acre disponibiliza aos juízes e seus assessores para facilitar o trabalho de assegurar ao cidadão uma justiça mais rápida e efetiva”, conclui o desembargador Laudivon Nogueira, presidente do Comitê de Governança da Tecnologia da Informação.

A ferramenta

A LEIA Precedentes é uma iniciativa pioneira na Justiça Estadual. Entre as vantagens do projeto estão: a economia do tempo de leitura dos processos e temas de precedentes; a redução da carga de trabalho nos gabinetes; maior isonomia no julgamento de processos similares; e o aumento na capacidade de trabalho das unidades judiciais com a redução do estoque de processos em andamento.

Como funciona

A dinâmica do projeto inclui a construção de matrizes de entendimento a partir da descrição e orientações dos Tribunais Superiores e um estudo técnico-jurídico dos processos já vinculados aos Temas. Essa matriz é validada pelo Tribunal e transformada em algoritmo por cientistas de dados, com o uso massivo de técnicas matemáticas e computacionais de processamento de linguagem natural.

O algoritmo resultante da matriz validada “varre” as petições iniciais de cada processo judicial em busca de correlação semântica-matemática do documento e indica aqueles processos que possuem maior nível de significância estatística com o algoritmo.

A ação de vinculação de um processo a um precedente permanece como uma prerrogativa do juiz titular da unidade judicial em que o processo está tramitando. A inteligência artificial sugere, com um alto nível de certeza, a partir da leitura da petição inicial, a vinculação do processo que poderá ser sobrestado pelo juiz quando corresponder a casos semelhantes em tramitação no Superior Tribunal de Justiça ou no Supremo Tribunal Federal.

 

Fonte Oficial: AASP.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Senado aprova MP que prorroga prazo para assembleias de sócios – AASP

Em sessão remota nesta quinta-feira (2), o Plenário do Senado aprovou a medida provisória que …