Obra lançada no Espaço Cultural discute direito regulatório e atuação da administração pública – STJ

​Nesta quinta-feira (5), foi lançado no Espaço Cultural STJ o livro Direito Regulatório – desafios e perspectivas para a administração pública, coordenado pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça Reynaldo Soares da Fonseca e pelo professor e juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul Daniel Castro Gomes da Costa.

Com prefácio do vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, a obra conta com a contribuição de experientes juristas, entre eles os ministros do STJ Humberto Martins, Mauro Campbell Marques, Benedito Gonçalves e Moura Ribeiro. Também participam do livro os ministros do STF Marco Aurélio, Rosa Weber e Edson Fachin.

O presidente do STF, ministro Dias Toffoli, ressaltou que o "direito regulatório é extremamente importante, porque trata das questões da administração pública e do Estado brasileiro em várias áreas: nas relações entre Estado e sociedade, entre Estado e concessionários, entre aqueles que atuam exatamente na função de ajudar a sociedade e o Estado nas suas ações. São temas que, muitas vezes, vêm para a análise da Justiça", afirmou.

Na obra, são apresentados tópicos referentes à atuação da administração pública e ao agir do Estado regulador. Entre os temas abordados, estão o regime de contratações públicas, a segurança jurídica no campo regulatório, a economia comportamental, os contratos administrativos, as agências reguladoras, a proteção de dados pessoais, o controle judicial da administração pública e a concorrência.

Relações so​ciais

Coordenador do livro e autor do primeiro capítulo, que trata do regime de contratações públicas e do estado de calamidade pública em âmbito financeiro, Reynaldo Soares da Fonseca explicou que o direito regulatório é o resultado da evolução do direito administrativo.

"No final do século passado e início deste século, o direito administrativo se viu submetido ao novo conceito de regulação decorrente das relações sociais com a administração pública e das relações sociais do direito privado. Assim, nos deparamos com uma realidade em que o Estado teria necessidade de se fazer presente diante de vários aspectos com reflexos na sociedade, como a aviação, o meio ambiente, as relações de contratação pública, as calamidades públicas e as emergências", afirmou.

Sobre o capítulo escrito por ele, o ministro disse que o regime de contratações públicas e o estado de calamidade pública em âmbito financeiro "é um tema que está no Supremo Tribunal Federal e diz respeito não só ao direito regulatório na perspectiva de licitação e de contratação nas emergências decorrentes de catástrofes geográficas e de situações econômico-financeiras muito difíceis. Faz com que o Estado se faça presente para que o administrador possa agir com base na legislação vigente", esclareceu.

O outro coordenador do livro, Daniel Gomes, destacou a necessidade de obras que debatam as novas perspectivas do direito regulatório. "Esse ramo do direito é integrante do direito público e administrativo, e essencial para regular as novas relações da sociedade, empresas, governos e outros entes sociais", disse. Ele observou ainda que a regulação, pelo Estado, de áreas econômicas que impactam o dia a dia das pessoas é uma forte tendência em diversos países da Europa e nos Estados Unidos.

Criando Jurispr​udência

O ministro Benedito Gonçalves escreveu um capítulo sobre a regulamentação jurídica da atividade público-administrativa e o papel do STJ. "Nossa casa já está criando uma relevante jurisprudência sobre essas atividades", declarou.

O capítulo sobre a regulação na Lei Geral de Proteção de Dados foi escrito pelo ministro do STJ Moura Ribeiro, que apontou a importância do tema nos dias atuais. "A questão da regulação, hoje, está tomando um porte muito grande para nós. Ela visa muito mais uma desjudicialização, o que implica a melhoria dos serviços para os jurisdicionados e gera segurança jurídica. Todos estamos preocupados com o assunto porque, em suma, a questão da regulação vai implicar efetivamente a dignidade humana", disse o magistrado.

Transparência e segurança ​jurídica

Para o ministro Jorge Mussi, o direito regulatório é uma parte importante do direito público e essencial para a transparência do Estado e a segurança jurídica – temas cada vez mais importantes no STJ. "Obras com vários autores são oportunidades para o intercâmbio de ideias diversificadas, uma verdadeira simbiose de tendências", opinou.

O ministro Rogerio Schietti Cruz também salientou a importância do caráter coletivo da obra. "O livro reúne pensamentos sobre um tema relativamente novo, como o direito regulatório", observou.

Diálogo com a comunid​ade

O ministro do STF Edson Fachin também contribuiu para a obra. "Temos no Brasil uma constituição econômica em constante construção e reconstrução. Essa obra se propõe, nos seus diversos estudos, a refletir sobre o desenho do estado regulador e, portanto, sobre as funções e os papéis do Estado em campos da economia extremamente importantes. As reflexões aqui contidas são uma proposta de diálogo com a comunidade jurídica e, ao mesmo tempo, com todos aqueles que estão comprometidos em discutir esse perfil do Estado na sociedade brasileira contemporânea", afirmou.

Edson Fachin observou que o Brasil hoje tem um "excesso de presente", e que é preciso mais compromisso com as futuras gerações. "Elas são sujeitos do direito, algo já previsto na Constituição Federal", comentou.

Compareceram ainda ao evento a vice-presidente do STJ, ministra Maria Thereza de Assis Moura; os ministros Laurita Vaz, Napoleão Nunes Maia Filho, Isabel Gallotti, Sebastião Reis Júnior, Marco Buzzi, Sérgio Kukina, Moura Ribeiro, Regina Helena Costa, Nefi Cordeiro, Gurgel de Faria, Ribeiro Dantas e Joel Ilan Paciornik. A ministra aposentada do STJ Eliana Calmon e o ministro do STF Luís Roberto Barroso também estiveram presentes.

Fonte Oficial: http://feedproxy.google.com/~r/STJNoticias/~3/7GgyKkNSP64/Obra-lancada-no-Espaco-Cultural-discute-direito-regulatorio-e-atuacao-da-administracao-publica.aspx.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Indeferido habeas corpus a investigado que pretendia viajar com as filhas para o exterior – STJ

​​ O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha, indeferiu …