Obra lançada no Espaço Cultural discute direito regulatório e atuação da administração pública – STJ

​Nesta quinta-feira (5), foi lançado no Espaço Cultural STJ o livro Direito Regulatório – desafios e perspectivas para a administração pública, coordenado pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça Reynaldo Soares da Fonseca e pelo professor e juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul Daniel Castro Gomes da Costa.

Com prefácio do vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, a obra conta com a contribuição de experientes juristas, entre eles os ministros do STJ Humberto Martins, Mauro Campbell Marques, Benedito Gonçalves e Moura Ribeiro. Também participam do livro os ministros do STF Marco Aurélio, Rosa Weber e Edson Fachin.

O presidente do STF, ministro Dias Toffoli, ressaltou que o "direito regulatório é extremamente importante, porque trata das questões da administração pública e do Estado brasileiro em várias áreas: nas relações entre Estado e sociedade, entre Estado e concessionários, entre aqueles que atuam exatamente na função de ajudar a sociedade e o Estado nas suas ações. São temas que, muitas vezes, vêm para a análise da Justiça", afirmou.

Na obra, são apresentados tópicos referentes à atuação da administração pública e ao agir do Estado regulador. Entre os temas abordados, estão o regime de contratações públicas, a segurança jurídica no campo regulatório, a economia comportamental, os contratos administrativos, as agências reguladoras, a proteção de dados pessoais, o controle judicial da administração pública e a concorrência.

Relações so​ciais

Coordenador do livro e autor do primeiro capítulo, que trata do regime de contratações públicas e do estado de calamidade pública em âmbito financeiro, Reynaldo Soares da Fonseca explicou que o direito regulatório é o resultado da evolução do direito administrativo.

"No final do século passado e início deste século, o direito administrativo se viu submetido ao novo conceito de regulação decorrente das relações sociais com a administração pública e das relações sociais do direito privado. Assim, nos deparamos com uma realidade em que o Estado teria necessidade de se fazer presente diante de vários aspectos com reflexos na sociedade, como a aviação, o meio ambiente, as relações de contratação pública, as calamidades públicas e as emergências", afirmou.

Sobre o capítulo escrito por ele, o ministro disse que o regime de contratações públicas e o estado de calamidade pública em âmbito financeiro "é um tema que está no Supremo Tribunal Federal e diz respeito não só ao direito regulatório na perspectiva de licitação e de contratação nas emergências decorrentes de catástrofes geográficas e de situações econômico-financeiras muito difíceis. Faz com que o Estado se faça presente para que o administrador possa agir com base na legislação vigente", esclareceu.

O outro coordenador do livro, Daniel Gomes, destacou a necessidade de obras que debatam as novas perspectivas do direito regulatório. "Esse ramo do direito é integrante do direito público e administrativo, e essencial para regular as novas relações da sociedade, empresas, governos e outros entes sociais", disse. Ele observou ainda que a regulação, pelo Estado, de áreas econômicas que impactam o dia a dia das pessoas é uma forte tendência em diversos países da Europa e nos Estados Unidos.

Criando Jurispr​udência

O ministro Benedito Gonçalves escreveu um capítulo sobre a regulamentação jurídica da atividade público-administrativa e o papel do STJ. "Nossa casa já está criando uma relevante jurisprudência sobre essas atividades", declarou.

O capítulo sobre a regulação na Lei Geral de Proteção de Dados foi escrito pelo ministro do STJ Moura Ribeiro, que apontou a importância do tema nos dias atuais. "A questão da regulação, hoje, está tomando um porte muito grande para nós. Ela visa muito mais uma desjudicialização, o que implica a melhoria dos serviços para os jurisdicionados e gera segurança jurídica. Todos estamos preocupados com o assunto porque, em suma, a questão da regulação vai implicar efetivamente a dignidade humana", disse o magistrado.

Transparência e segurança ​jurídica

Para o ministro Jorge Mussi, o direito regulatório é uma parte importante do direito público e essencial para a transparência do Estado e a segurança jurídica – temas cada vez mais importantes no STJ. "Obras com vários autores são oportunidades para o intercâmbio de ideias diversificadas, uma verdadeira simbiose de tendências", opinou.

O ministro Rogerio Schietti Cruz também salientou a importância do caráter coletivo da obra. "O livro reúne pensamentos sobre um tema relativamente novo, como o direito regulatório", observou.

Diálogo com a comunid​ade

O ministro do STF Edson Fachin também contribuiu para a obra. "Temos no Brasil uma constituição econômica em constante construção e reconstrução. Essa obra se propõe, nos seus diversos estudos, a refletir sobre o desenho do estado regulador e, portanto, sobre as funções e os papéis do Estado em campos da economia extremamente importantes. As reflexões aqui contidas são uma proposta de diálogo com a comunidade jurídica e, ao mesmo tempo, com todos aqueles que estão comprometidos em discutir esse perfil do Estado na sociedade brasileira contemporânea", afirmou.

Edson Fachin observou que o Brasil hoje tem um "excesso de presente", e que é preciso mais compromisso com as futuras gerações. "Elas são sujeitos do direito, algo já previsto na Constituição Federal", comentou.

Compareceram ainda ao evento a vice-presidente do STJ, ministra Maria Thereza de Assis Moura; os ministros Laurita Vaz, Napoleão Nunes Maia Filho, Isabel Gallotti, Sebastião Reis Júnior, Marco Buzzi, Sérgio Kukina, Moura Ribeiro, Regina Helena Costa, Nefi Cordeiro, Gurgel de Faria, Ribeiro Dantas e Joel Ilan Paciornik. A ministra aposentada do STJ Eliana Calmon e o ministro do STF Luís Roberto Barroso também estiveram presentes.

Fonte Oficial: http://feedproxy.google.com/~r/STJNoticias/~3/7GgyKkNSP64/Obra-lancada-no-Espaco-Cultural-discute-direito-regulatorio-e-atuacao-da-administracao-publica.aspx.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

IR sobre lucro apurado no país pode ser compensado em repasses ao exterior, mesmo em balanços diferentes – STJ

​A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) entendeu que é possível a compensação …