Brasil cai uma posição no ranking de desenvolvimento humano da ONU – Congresso em Foco

O Brasil caiu uma posição no ranking de desenvolvimento humano da Organização das Nações Unidas (ONU). O país ficou na 79ª posição, empatado com a Colômbia, entre os 189 países e territórios avaliados pela ONU. Isso porque o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) brasileiro ficou praticamente estagnado entre 2017 e 2018.

> Câmara analisa aumento de repasse a municípios e saneamento

Segundo relatório divulgado nesta segunda-feira (9) pela ONU, o IDH brasileiro marcou 0,761 em 2018. O indicador é apenas 0,001 maior que o registrado em 2017. O Brasil ficou, então, empatado com a Colômbia, na quarta colocação do IDH na América Latina, atrás do Chile, da Argentina e do Uruguai.

A ONU destaca, por sua vez, que apesar disso o Brasil vem numa tendência consistente de melhora desde o início da série histórica, em 1990. Entre 1990 e 2018, por exemplo, o IDH do Brasil passou de 0,613 para 0,761. O aumento foi de 24%, acima da média de crescimento da América Latina e do Caribe (21%) e da média global (22%), o que resulta em uma taxa de crescimento anual de 0,78%.

Nesse período, a expectativa de vida de um brasileiro ao nascer cresceu 9,4 anos. A média de anos de estudo subiu quatro anos e o tempo de escolaridade aumentou em 3,2 anos. Já a renda média da população cresceu 39,5%. Por isso, o Brasil segue sendo considerado um país de alto desenvolvimento humano.

> Senado discute mudança na transferência de recursos a municípios

O relatório, porém, também aponta dificuldades para o desenvolvimento humano brasileiro. Uma delas é o desenvolvimento de gênero. Segundo a ONU, apesar de apresentaram melhor rendimento na educação, as mulheres ainda ganham 42% menos que os homens. Além disso, a ONU lembra que, apesar de a bancada feminina ter crescido nos últimos anos, apenas 15% das funções parlamentares são ocupadas por mulheres no Brasil. A representatividade feminina no Legislativo é menor, portanto, que a encontrada em países como Argentina, Chile, Uruguai e Paraguai.

Além disso, o Brasil é citado no estudo como o país que mais perde posições no ranking, atrás apenas de Camarões. É que, além da posição perdida neste ano, o Brasil já havia descido mais duas colocações desde 2013.

> Economia estabiliza rejeição ao governo Bolsonaro, diz Datafolha

> Tenha a melhor cobertura do Congresso de graça no seu Whatsapp

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Jingle do Aliança pelo Brasil defende a “direita de verdade”. Escute – Congresso em Foco

O jingle de divulgação do Aliança pelo Brasil, o novo partido do presidente Jair Bolsonaro, …