Fundeb precisa ser permanente e ter mais recursos, conclui CE — Senado Notícias

A Comissão de Educação (CE) aprovou nesta terça-feira (17) relatório de Flavio Arns (Rede-PR) sobre o Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb). Esta foi a política pública avaliada pelo colegiado em 2019. De acordo com a Resolução do Senado Federal n° 44, de 2013, as comissões devem escolher todos os anos uma política governamental para avaliar e propor melhorias. 

O fato do Fundeb estar previsto para vigorar apenas até dezembro de 2020, segundo texto da Constituição, causa preocupação nos senadores. Em seu relatório, Arns deixa claro que o Parlamento terá que priorizar a renovação do Fundeb no ano que vem, sob risco da educação perder sua principal fonte de financiamento.

“O Fundeb responde pela maior parte do investimento público em educação básica. Corresponde a 63% do montante; 2,3% do PIB brasileiro, um total que chegará a R$ 156,3 bilhões só em 2019”, explica o senador.

Arns ainda alerta que além de aprovar uma nova proposta de emenda à Constituição (PEC) prorrogando o Fundeb, será preciso depois regulamentá-lo. Além disso, caberá ao governo federal estabelecer as normas infralegais. Se esse processo não acontecer, o fundo deixará de existir em 2021.

Fundeb permanente

O relatório esclarece que o novo Fundeb deverá tornar-se uma política pública permanente do Estado brasileiro. Desde sua primeira versão, criada em 1996 sob a sigla Fundef (voltado apenas ao ensino fundamental), o fundo tem sido renovado sempre sob prazos determinados de existência.

“É um consenso na área educacional de que o novo Fundeb deve também contar com transferências mais robustas do governo federal. Entendemos que a PEC 65/2019 é a melhor, pois determina uma transição gradual ao novo modelo, com uma participação mais forte da União”, defendeu Arns.

Ainda de acordo com o relatório, o novo Fundeb deve também priorizar o incremento salarial dos professores. A média salarial da categoria no Brasil é muito mais baixa do que a verificada nos países que fazem parte da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), como mostrou a peça.

Recursos

Arns explicita que o Brasil precisa investir mais em educação. O investimento em estudantes dos 6 aos 15 anos na OCDE chega a US$ 8,63 mil anual por aluno. Já no Brasil, é só de US$ 3,7 mil.

“Em termos de qualidade, nossos alunos têm uma performance bem inferior aos dos países da OCDE. Isso acontece em parte devido à grande disparidade sócio-econômica e de investimentos. E não é sub-financiando a educação que vamos resolver o problema”, afirma.

A PEC 65/2019 pede que também componha o Fundeb 20% dos recursos relativos ao 1% da arrecadação do Imposto de Renda (IR) e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Este 1% é repassado todos os anos pelo governo federal ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM) nos meses de julho e dezembro. E tanto a PEC 65/2019 quanto a PEC 33/2019 (que também tenta criar o Fundeb permanente) preveem aportes vindos de royalties relativos à exploração de petróleo e gás.

A CE ainda aponta, como futuras fontes pro Fundeb permanente, a redução das desonerações tributárias; o remanejamento de recursos; e uma reforma tributária progressiva.

Durante a discussão, o senador Confúcio Moura (MDB-RO) lembrou que o Ministério da Economia já deixou claro ser contra aumentar a participação do governo federal no financiamento do Fundeb. A atual gestão também foi muito criticada por Fabiano Contarato (Rede-ES).

— O governo acabou com a TV Escola e vem sistematicamente cortando recursos para a educação. O orçamento do MEC para 2020 é 17% menor que em 2019. Este ano, o governo executou só 8% do orçamento para a educação infantil, 7% para a educação profissional e 4% para a educação básica. Temos um presidente que se refere ao educador Paulo Freire, respeitado em todo o mundo, como um ‘energúmeno’. Mas energúmeno é Bolsonaro. Paulo Freire continuará sendo estudado por muito tempo, e Bolsonaro, espero, passará rapidamente — disse.

O presidente da CE, senador Dario Berger (MDB-SC), defendeu que o Parlamento vincule o novo Fundeb à melhoria da infra-estrutura escolar.

— O IBGE mostra que 17.500 escolas não têm nem banheiro em suas instalações. Outras 7,5 mil funcionam sem energia elétrica, e 47 mil não tem internet — lamentou o senador.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/12/17/fundeb-precisa-ser-permanente-e-ter-mais-recursos-conclui-ce.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Girão celebra um ano do grupo Muda Senado, Muda Brasil — Senado Notícias

O senador Eduardo Girão (Podemos-CE) celebrou, em pronunciamento nesta quinta-feira (6), o marco de um …