CCJ analisa criação de órgão para acompanhar mídias sociais — Senado Notícias

Está pronto para votação, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), projeto de resolução que cria, no âmbito do Senado, a Instituição Independente de Acompanhamento das Mídias Sociais e o seu Conselho Multissetorial de Assessoramento. Entre as funções do colegiado está a elaboração e publicação de estudos e relatórios multidisciplinares sobre o uso de mídias sociais no Brasil. 

A ideia inicial do PRS 56/2019, apresentado pelo senador Humberto Costa (PT-PE), era de que o órgão funcionasse junto ao Conselho de Comunicação Social do Congresso Nacional (CCS). No entanto, o relator, senador Marcio Bittar (MDB-AC), restringiu esse assessoramento ao Senado, porque, segundo ele, a criação de instituições ligadas ao CSS deve ocorrer por meio de resolução do Congresso Nacional, e não somente do Senado ou da Câmara dos Deputados. 

Humberto destacou que a instituição servirá para promover as mídias sociais como um ambiente seguro e diverso, no qual seus usuários possam saber lidar com a informação que recebem, distinguindo entre o que é fato e o que é engano.

“A liberdade de expressão deve ser protegida dentro do espectro constitucional, e o Senado tem um papel histórico como garantidor das liberdades democráticas estabelecidas pela Constituição federal de 1988. Esta instituição visa justamente a auxiliar a Casa na condução dessa trajetória”, justificou o senador.

Bittar afirma que a iniciativa de Humberto é meritória, tendo em vista o crescimento da desinformação e das chamadas fake news em larga escala com objetivos políticos, econômicos e sociais escusos. Ele cita, por exemplo, denúncias de manipulação de eleições por produtores de conteúdo falso em redes sociais, com significativo impacto nos pleitos. Além disso, conforme o parlamentar, ataques a pessoas também são registrados com o objetivo de dano à sua honra, por meio dos crimes de calúnia, injúria e difamação. 

“Desse modo, anda bem o Senado Federal ao criar a Instituição Independente das Mídias Sociais, órgão apartidário que poderá oferecer importantes contribuições à atuação desta Casa Legislativa de modo a subsidiar a atividade parlamentar normativa e fiscalizatória com estudos e informações a respeito”, explicou no relatório. 

Outra emenda do relator modificou a composição do Conselho Diretor da Instituição Independente das Mídias Sociais para incluir um representante da Comissão de Fiscalização e Controle (CTFC). Segundo Bittar, essa mudança é importante para suprimir o representante da Câmara dos Deputados, previsto no texto original. Também por emendas, o senador acrescentou representantes do Senado e da Câmara dos Deputados ao Conselho Multissetorial de Assessoramento sugerido, para aumentar a representatividade do órgão, e estabeleceu que as reuniões do Conselho Diretor serão realizadas de forma preferencialmente eletrônica, de modo a facilitar os trabalhos da entidade.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2020/01/17/ccj-analisa-criacao-de-orgao-para-acompanhar-midias-sociais.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Projeto define que cadastro de consumidor sem autorização é ato abusivo — Senado Notícias

A Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor (CTFC) aprovou, nesta …