Innovare: moradores recebem orientação jurídica gratuita

Região marcada por inúmeros conflitos ao longo da história, o Bico do Papagaio – tríplice fronteira dos estados de Tocantins, Pará e Maranhão – abriga iniciativa para superar as barreiras que impedem que os moradores tenham acesso à justiça. É o Núcleo de Advocacia Voluntária Itinerante (Navi), do curso de direito da Universidade Estadual do Tocantins (Unitins), campus de Augustinópolis/TO. A iniciativa, que alia atendimento à população carente e formação prática de alunos, foi finalista do 16º Prêmio Innovare na categoria “Advocacia”

Coordenado pelo professor e advogado Irineu Vagner Junior Valoeis, o Navi atua desde novembro de 2018 na capacitação de alunos para atendimento às comunidades da região, sob a supervisão e orientação de professores do Núcleo de Prática Jurídica da Unitins. Eles atuam no esclarecimento de dúvidas jurídicas, promoção de mediações e conciliações e abertura de processos judiciais de forma gratuita. O Navi é um Projeto de Extensão da Unitins e funciona sempre com duas turmas do curso de Direito.

Além de bairros carentes de Augustinópolis, como São José e Vila Dezesseis, na zona rural, o projeto atende também em Praia Norte, Axixá do Tocantins e Sampaio, cidades tocantinenses situadas em locais isolados, onde, segundo o professor, a população carece de meios para acesso à justiça.

Valoeis conta que são realizadas visitas às comunidades para informar sobre as ações. “Atendemos apenas quem não tem condições de contratar um advogado. E fazemos esse atendimento de forma ativa, tirando dúvidas, acompanhando processos e ingressando com ações”.

“Os professores, que também são advogados, fazem acompanhamento em processos eletrônicos dos mais diversos tribunais do país e orientam como o assistido deve proceder”, explica o coordenador. “Sempre prezando pela ética no que diz respeito a pessoas que já possuem advogados constituídos, seja particular ou defensor público, orientando-os sempre a procurar seu procurador, mas não deixando de esclarecer eventuais dúvidas apresentadas.”

O trabalho do Navi envolve também a promoção de mediações e conciliações na esfera cível, principalmente em questões familiares. De acordo com Valoeis, nestes casos, as partes têm a oportunidade de se manifestar e são orientadas sobre as vantagens de uma composição amigável do conflito. “Assim, é possível evitar ingressos de ações como de Alimentos, Revisional de Alimentos, Investigação de Paternidade e até Ação de Divórcio”, afirma.

O professor é docente na Unitins desde 2015. Ele entende que a iniciativa permite que se retribua à sociedade o que a universidade proporciona aos professores e alunos. “Somos profissionais pagos pelo dinheiro público. Nossa ação no Navi é uma maneira de devolver, em forma de prestação de serviço, algo para quem paga imposto. Já os alunos abraçam a causa para interferir na realidade local, pois pertencem à comunidade e sabem a real necessidade dos moradores.”

Retorno social

Estudante do 8º período do curso de direito, Mateus Iuri Borba Santos mora em Araguatins, cidade de 16 mil habitantes localizada a 35 km de Augustinópolis. Ele avalia como positiva a participação no projeto e enfatiza que o trabalho tem um impacto significativo para as populações que vivem em locais afastados das cidades e têm dificuldades de acesso à informação. Ele explica que as escolas dos distritos, que ajudam na difusão do trabalho do Navi, são usadas para realização de atendimentos. “Particularmente, fico feliz quando o problema de alguém solucionado. Sei que nossa ação proporciona um retorno social importante”.

Já a estudante Shamara Pinheiro de Araújo conta que o que a motiva a participar é a possibilidade de estimular as pessoas a reivindicar direitos e apoiá-las nas demandas. Cursando o 8º período, ela atua em casos envolvendo direito de família, principalmente guarda de filhos, separação, divórcio e pensão alimentícia. A estudante, que atende comunidades carentes como a Fazenda 16 e Bairro São José, destaca que a atividade no Navi proporciona maior contato com o público. “Atuamos na zona rural e em bairros pobres, onde a criminalidade é elevada. São pessoas que necessitam de orientação jurídica. O projeto precisa crescer pois favorece aos alunos e aos atendidos”.

Sobre o Prêmio Innovare

O Prêmio Innovare é uma iniciativa do Instituto Innovare, com a parceria institucional do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp), o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), Associação Nacional das Defensoras e Defensores Públicos (Anadep), Associação dos Juízes Federais (Ajufe), Conselho Federal da OAB, Associação Nacional dos Procuradores de República (ANPR), Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) e do Ministério da Justiça e Segurança Pública, por meio da Secretaria Nacional de Justiça, com o apoio do Grupo Globo.

Desde sua criação, em 2004, o Prêmio Innovare já recebeu mais de 6.900 trabalhos e premiou, homenageou e destacou 213 iniciativas que têm como objetivo principal aprimorar o trabalho da Justiça em todo o país, tornando-a mais rápida, eficiente e acessível a toda a população. No site do Innovare, é possível conhecer todas gratuitamente, utilizando a ferramenta de busca. A consulta pode ser feita por palavra-chave, edição, categoria, estado de origem e a situação da prática.

Jeferson Melo
Agência CNJ de Notícias

 

 

 

 

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/innovare-moradores-recebem-orientacao-juridica-gratuita/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=innovare-moradores-recebem-orientacao-juridica-gratuita.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

GMF aprova recomendação em caso de violação de tornozeleira

O Planejamento Estratégico para o ano de 2020 do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do …