Abertura do Ano Judiciário: OAB e PGR ressaltam papel das instituições na defesa da democracia – STF

Durante a sessão solene para a instalação do Ano Judiciário 2020, realizada na manhã desta segunda-feira (3), no plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz, e o procurador-geral da República, Augusto Aras, enalteceram o papel de suas instituições na defesa da democracia e dos direitos individuais dos cidadãos.

Primeiro a se manifestar, o presidente da OAB destacou a importância dos mais de um milhão de advogados brasileiros para a manutenção do Estado Democrático de Direito. Felipe Santa Cruz defendeu a inviolabilidade das atividades profissionais da categoria garantida pelo artigo 133 da Constituição Federal.

Autoridade e garantias

Nesse contexto, Santa Cruz comemorou a aprovação da lei contra Abuso de Autoridade (Lei 13.869/2019) e da Lei 13.964/2019, que institui a figura do juiz das garantias no sistema penal brasileiro. Segundo o presidente da OAB, a Lei de Abuso de Autoridade “é uma das maiores conquistas da sociedade e não só da advocacia, por criminalizar a violação das prerrogativas dos advogados”.

Felipe Santa Cruz afirmou que se trata de uma prerrogativa constitucional “que atende aos princípios pétreos da ampla defesa, do contraditório e do devido processo legal, garantidos a todo o cidadão e também ao advogado”. Ele encerrou sua manifestação salientando a importância do poder de moderação desempenhado pelo Judiciário, especialmente “em tempos de polarização e intolerância” e desejou que o país reencontre o caminho do desenvolvimento e consiga combater suas imensas desigualdades sociais.

PGR

Em seu pronunciamento, o procurador-geral da República, Augusto Aras, reiterou o compromisso do Ministério Público de contribuir harmoniosamente com os trabalhos da Suprema Corte e de todas as instâncias do Poder Judiciário. Destacou o que chamou de “defesa intransigente” que fará de todos os vulneráveis, especialmente das vítimas de crimes e de suas famílias vitimadas, assegurando-lhes também o devido processo legal”.

Aras afirmou ainda que o Ministério Público estará engajado na prevenção e na redução de conflitos em todas as áreas sociais, especialmente a econômica, e sensível aos valores constitucionais e à preservação da dignidade da pessoa humana. Disse ainda que pretende valorizar instrumentos como conciliação, mediação e arbitragem para contribuir com a redução de mais de 110 milhões de ações em curso.

Segundo Augusto Aras, “é papel de cada um o exercício da cidadania permanente, contínua e duradoura”, com equilíbrio entre desenvolvimento e sustentabilidade. Ele encerrou seu discurso destacando que as instituições republicanas estão firmes e que são necessárias medidas urgentes para o aprimoramento de instrumentos que contribuam com a segurança pública e o combate à criminalidade.

AR/EH

Fonte Oficial: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=435937.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Programação da Rádio Justiça para segunda-feira (30) – STF

Revista Justiça O programa de segunda-feira volta a falar da pandemia do novo coronavírus. O …