Regulamentação da publicidade infantil é tema de debate

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) participou nessa segunda-feira (3) de debate sobre a proposta de portaria apresentada pelo Ministério da Justiça e da Segurança Pública (MJSP) que busca regulamentar a publicidade voltada para o público infantil, incluindo os influenciadores digitais. “Há uma demanda da sociedade para regulamentar a publicidade infantil. O Conselho participa dentro dessa nova perspectiva de prevenção de conflitos”, afirmou a juíza auxiliar da Secretaria Especial do CNJ, Dayse Starling Motta.

A abertura do Seminário A Regulação da Publicidade Infantil: Mídia Tradicional X Plataforma Digital contou com a presença do ministro Sergio Moro. Entre os temas tratados, estiveram os aspectos jurídicos, regulatórios, econômicos e cognitivos da publicidade e a autorregulação da publicidade. “Nosso maior desafio nesse debate é a publicidade digital”, afirmou o secretário nacional do Consumidor do MJSP, Luciano Timm. “Sabemos que há um excesso de regulamentação. Mas alguns regulamentos precisam ser revistos sob a ótica da Lei da Liberdade Econômica. E acho que é melhor pecar pelo excesso e fazer o mínimo do que ficar anos e anos só no debate.”

O texto base da Portaria está em consulta pública até o dia 27 de fevereiro. Acesse aqui.

Regulamentação

Dayse Motta apontou que uma melhor comunicação com a sociedade é um desafio a ser vencido. “A nossa fala nesse painel atende a necessidade de melhorarmos a comunicação não apenas com as crianças, mas em especial com as famílias, porque nada adianta mais uma norma se ela não tiver uma aplicação eficiente para a sociedade.”

De acordo com a procuradora federal Mariane Guimarães, moderadora do painel, “o receio é de que uma nova regulamentação traga retrocessos em decisões já pacificadas na Justiça”. Já a representante da Associação Brasileira de Anunciantes (ABA), Eliane Quintella, defende a autorregulação. “Hoje o consumidor está empoderado. Ele tem acesso ao mundo digital onde os influenciadores falam e fazem o que querem sem nenhum controle. Pretendemos fazer, junto com o Google, um guia de boas práticas para orientar esse segmento.”

Já Claudio Ferreira, do Fórum Nacional das entidades Civis de Defesa do Consumidor (FNECDC), “o caminho não é proibir, pois a publicidade gera emprego e renda e pode ser usada para campanhas educacionais”. Ele citou ainda o marco regulatório de outros países como Reino Unido, Canadá e Noruega e elegeu o sistema inglês como “melhor modelo de regulamentação”.

Paula Andrade
Agência CNJ de Notícias

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/regulamentacao-da-publicidade-infantil-e-tema-de-debate/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=regulamentacao-da-publicidade-infantil-e-tema-de-debate.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Paraná realiza mais de 2,3 milhões de atos processuais em trabalho remoto

Entre os dias 16 de março e 28 de junho, o Tribunal de Justiça do Paraná …