Plataforma do CNJ emite 1 mil pareceres médicos a casos urgentes

Cinco meses depois de instalado, o e-NatJus Nacional emitiu a milésima nota técnica no último dia 29/1. O serviço disponibilizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) presta apoio técnico a magistrados que julgam pedidos de urgências médicas. O caso foi de um paciente do Estado da Bahia que pedia um medicamento para tratar problema no olho decorrente do diabetes, a retinopatia diabética. A enfermidade pode levar à cegueira.

A equipe de especialistas do Hospital Israelita Albert Einstein manifestou-se favorável à adoção do tratamento ao juiz que daria a decisão de o Estado ceder ou não o medicamento gratuitamente. A instalação do e-NatJus Nacional, serviço 24 horas disponível à magistratura brasileira, é resultado da parceria entre o CNJ, o Ministério da Saúde e dois hospitais, Sírio Libanês e Albert Einstein.

Os resultados positivos alcançados pelo e-NatJus foram destacados pelo presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, durante a 303ª Sessão Plenária do Conselho, na última terça-feira (04/02). Ele registrou que desde a instalação do serviço, em 19 de agosto do ano passado, os 180 médicos da central de atendimento, localizada em São Paulo, têm respondido a quase 200 solicitações mensais de magistrados de todo o país. “A equipe fundamenta seus pareceres na chamada medicina baseada em evidências. Para verificar se um medicamento, uma cirurgia ou um tratamento é indicado para o problema de saúde levado à Justiça – e encaminhado para análise do e-NatJus Nacional –, os médicos recorrem a bases de dados nacionais e internacionais”, explicou.

O ministro ressaltou que o e-NatJus, em uma primeira análise, verifica se a urgência médica alegada na petição inicial segue o conceito adotado pelo Ministério da Saúde. Recebem a classificação de urgência médica ocorrências imprevistas de agravo à saúde com ou sem risco potencial à vida, cujo portador necessita de assistência médica imediata. “Uma vez constatada a urgência do caso, passa-se a avaliar eficácia, acurácia, efetividade e segurança da tecnologia demandada pelo advogado do paciente”, observou.

Judicialização

De acordo com a supervisora do Fórum Nacional do Judiciário para monitoramento e resolução das demandas de assistência à saúde (Fórum da Saúde), conselheira Candice Lavocat Galvão Jobim, das 1.020 notas técnicas fornecidas pelo e-NatJus até o último dia 29/1, 40% se referem a pedidos da Justiça Federal. Nesse universo, 663 se referiam a medicamentos, 304, a procedimentos (cirurgias, por exemplo) e 53, a produtos (próteses, fraldas descartáveis, entre outros). Os estados com maior número de pedidos respondidos foram Bahia (342), Paraná (131) e Santa Catarina (123).

“Alcançar a emissão da milésima nota técnica é um fato muito significativo, porque demonstra que os magistrados estão utilizando o sistema e-NatJus e, consequentemente, emitindo decisões com maior embasamento técnico”, afirmou. Segundo ela, o desafio agora é fazer com que mais magistrados passem a utilizar o sistema. “Verificamos que a utilização é grande em determinadas regiões, mas ainda é reduzida em outras. Então, nosso desafio é estimular o uso pelos magistrados que ainda não utilizam a plataforma”, declarou.

“O e-NatJus proporcionou um grande avanço ao subsidiar, com excelência, as decisões judiciais. Trata-se de uma iniciativa inovadora que envolve o Poder Judiciário, hospitais de ponta e o Poder Executivo. Todos atuando de maneira conjunta para garantir informações técnicas para o juiz tomar decisões corretas e evitar o uso do Poder Judiciário de forma predatória ou inconsequente”, ressaltou.

A conselheira observa que a iniciativa do Fórum da Saúde, coordenada pelo CNJ e regulamentada por Provimento da Corregedoria Nacional de Justiça, faz frente à crescente judicialização do direito à saúde no Brasil. Atualmente, uma fatia cada vez mais significativa do orçamento da saúde dos governos federal, estadual e municipal, que administram os recursos do Sistema Único de Saúde (SUS), é usada para o cumprimento de decisões judiciais relacionadas a demandas de saúde.

De acordo com o Ministério da Saúde, só a União destina mais de R$ 1 bilhão anuais no cumprimento dessas decisões judiciais – os 10 medicamentos mais caros respondem por mais de 90% desses custos. Entre 2009 e 2018, o Governo Federal destinou R$ 6 bilhões (R$ 1,4 bilhão em 2018) à compra de medicamentos e outros tratamentos para cumprir decisões judiciais – o valor cresceu 1.083% em 10 anos.

Funcionamento

Ao todo, 180 médicos do Hospital Albert Einstein atendem 24 horas por dia, sete dias por semana. A plataforma foi desenvolvida e será mantida pelo CNJ, por iniciativa do Fórum Nacional do Judiciário para monitoramento e resolução das demandas de assistência à saúde (Fórum da Saúde). O Provimento n. 84 da Corregedoria Nacional de Justiça disciplina o funcionamento da plataforma. Para acessá-la, basta o magistrado fazer um cadastro prévio, por meio da Corregedoria do seu tribunal.

Dois manuais foram publicados para orientar os usuários: o Guia do Usuário do e-NatJus e o Guia para Solicitação e Elaboração de Notas Técnicas (e-NatJus).

Manuel Carlos Montenegro e Jeferson Melo
Agência CNJ de Notícias

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/plataforma-do-cnj-emite-1-mil-pareceres-medicos-a-casos-urgentes/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=plataforma-do-cnj-emite-1-mil-pareceres-medicos-a-casos-urgentes.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça eleitoral de Rondônia realiza primeira sessão plenária por videoconferência

Na segunda-feira (30/3), foi realizada a primeira sessão de julgamento do Tribunal Regional Eleitoral de …