STF realiza primeira sessão plenária de julgamentos na tarde desta quarta-feira (5) – STF

A primeira sessão de julgamentos de 2020 do Supremo Tribunal Federal (STF), a ser realizada nesta quarta-feira (5), a partir das 14h, traz processos sobre matéria penal, tributária, de administração pública e orçamentária. A pauta do semestre foi divulgada em dezembro do ano passado pelo presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, junto com o calendário de sessões do Plenário.

O primeiro item inscrito para julgamento nesta quarta-feira é o Habeas Corpus (HC) 176473, no qual se discute a interrupção do prazo de prescrição em caso de confirmação de sentença condenatória. 

Outro tema pautado é o Recurso Extraordinário (RE) 560900, com repercussão geral, em que se discute a possibilidade de restringir a participação em concurso público de candidato que responde a processo criminal.

A sessão é transmitida em tempo real pela TV Justiça, Rádio Justiça e no canal do STF no YouTube.

Confira aqui todos os temas dos processos pautados para julgamento

Habeas Corpus (HC) 176473 – Agravo regimental
Relator: ministro Alexandre de Moraes
Railton dos Santos Machado x Superior Tribunal de Justiça
Agravo regimental contra decisão em que foi indeferido o HC. Segundo o relator, o entendimento do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de que o acórdão confirmatório da condenação interrompe a prescrição está em harmonia com precedentes mais recentes do STF.
No agravo, a Defensoria Pública da União aponta divergência de entendimento entre as Turmas do STF sobre a matéria e sustenta que a sentença condenatória foi o último termo interruptivo da prescrição, pois o tribunal de segunda instância negou provimento ao recurso de apelação, mantendo a condenação. Para a DPU, o prazo prescricional somente deve ser interrompido quando houver reforma da sentença para condenar o réu. Os ministros vão decidir se o acórdão confirmatório de condenação constitui novo marco interruptivo prescricional.

Recurso Extraordinário (RE) 560900 – Retorno de vista
Relator: ministro Luís Roberto Barroso
Distrito Federal x Robério Agostinho da Silva
O recurso discute a restrição à participação em concurso público de candidato que responde a processo criminal. De acordo com a decisão questionada, a exclusão do candidato do Curso de Formação de Cabos da Polícia Militar do Distrito Federal só pode se dar após a condenação definitiva (trânsito em julgado). No RE, o Governo do Distrito Federal sustenta que os policiais investigados por cometimento de crimes não podem ser promovidos e que a esfera penal não se confunde com a administrativa. Os ministros vão decidir se a restrição ofende o princípio da inocência. O relator e o ministro Edson Fachin votaram pelo desprovimento do recurso. O julgamento será retomado com voto-vista do ministro Alexandre de Moraes.

Recurso Extraordinário (RE) 590880 – Repercussão geral
Relator: ministro Ricardo Lewandowski
União x Sindicato dos Servidores da Justiça Eleitoral do Estado do Ceará
O recurso contesta decisão em que o Tribunal Superior do Trabalho (TST) negou a possibilidade de desconstituir decisão que estendeu a todos os servidores da Justiça Eleitoral do Ceará, com base no princípio da isonomia, o reajuste de 84,32% relativo ao IPC (Índice de Preços ao Consumidor) de março de 1990 concedido pela Justiça Federal a um grupo de servidores, em decisão definitiva. A União sustenta que a Justiça do Trabalho extrapolou a sua competência ao permitir a extensão da execução para além do limite estipulado pela Lei 8.112/1990. Defende, ainda que o STF já teria decidido que não há direito adquirido a esse reajuste. O julgamento foi interrompido em junho de 2016 em razão de empate.

Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 2575 – Retorno de vista
Relator: ministro Dias Toffoli
Partido Social Liberal (PSL) x Assembleia Legislativa do Paraná e outro
Ação contra dispositivo da Constituição do Paraná, introduzido por meio de emenda constitucional, que dispõe sobre a criação e as atribuições da Polícia Científica para o exercício da segurança pública. O partido sustenta que a Constituição Federal não permite a inclusão de outras corporações policiais nas cartas estaduais além das Polícias Federal, Rodoviária, Ferroviária, Civil, Militar e Corpo de Bombeiro Militar. O julgamento será retomado com voto-vista do ministro Alexandre de Moraes.

Fonte Oficial: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=436079.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Governo federal deve prestar informações sobre ações contra Covid-19 em povos indígenas – STF

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), solicitou a manifestação do presidente …