STF apresenta ao Iphan projeto da expansão do Museu do Tribunal – STF

Em reunião realizada na tarde desta quarta-feira (12) no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico nacional (Iphan), a equipe do escritório do arquiteto Paulo Mendes da Rocha e integrantes do Supremo Tribunal Federal (STF) apresentaram previamente aos arquitetos do instituto as plantas e um vídeo tridimensional do projeto de redimensionamento do Museu da Corte. Ainda nesta semana, o STF encaminhará ao Iphan o memorial descritivo do projeto executivo para avaliação dos impactos sobre o Palácio do STF, patrimônio histórico tombado.

As fases 1 e 2 do projeto envolvem modificações internas no subsolo do edifício-sede do STF, onde se instalará a parte expositiva do museu. A terceira etapa trata de intervenções externas no Palácio e compreendem a entrada do museu, um café, uma área de convivência e a livraria.

Na reunião, o diretor-geral do STF, Eduardo Toledo, falou à equipe do Iphan da necessidade de se ter um museu à altura da história do STF. “Temos acervo de processos, mobiliário, registros fotográficos e documentais muito ricos. No entanto, nunca tivemos um espaço adequado para expor a memória institucional do Tribunal”, disse.

O arquiteto Mendes da Rocha explicou que, com o redimensionamento, o museu terá área de aproximadamente 1,5 mil m², a partir da readequação dos espaços existentes no subsolo do edifício-sede, de maneira que as visitações do público externo não interfiram na vida útil e nos serviço do Tribunal.

Para o arquiteto Mauricio Goulart, da Superintendência do Iphan, a análise de um projeto dessa dimensão é um desafio à instituição, na medida em que motiva a discussão sobre a necessidade de modificações em patrimônios tombados e a melhor forma de realizá-las.

Também participaram da reunião a arquiteta Marta Moreira, do escritório de Mendes da Rocha, a secretária-geral da Presidência do STF, Daiane Nogueira, a secretária de Documentação do Tribunal, Naiara Cabeleira, e o juiz auxiliar da Vice-Presidência, Pedro Felipe de Oliveira Santos.

Museu do STF

A expansão do museu busca ampliar o acesso da sociedade ao acervo arquitetônico, artístico e histórico do Tribunal e dar visibilidade a outras ações e exposições que contribuam para a promoção da cidadania, da justiça e da compreensão da Constituição Federal. Atualmente, as instalações do museu, no segundo andar do edifício-sede do STF, têm cerca de 159 m² e contam com sala expositiva e espaço de guarda e conservação do acervo, que se concentra apenas na história da Corte. Em outubro do ano passado, em sessão administrativa, os ministros aprovaram o projeto.

SP/CF

Fonte Oficial: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=436950.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Ministra julga inviável ADPF contra regras do processo de impeachment do governador de SC – STF

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), julgou inviável (negou seguimento) a Arguição …