Curso aborda violência doméstica contra a mulher

Os aspectos conceituais da violência doméstica contra a mulher serão abordados no curso realizado pela Escola Desembargador Edésio Fernandes (Ejef) para três turmas, com início nesta terça-feira (11/2).

As atividades serão direcionadas para servidores do 1º, 2º, 3º e 4º Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher de Belo Horizonte e do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc) da capital mineira.

O conteúdo será aplicado pelas defensoras públicas Renata Salazar Botelho Guarani, Laurelle Carvalho de Araújo, Maria Cecília Pinto e Samantha Vilarinho, integrantes do núcleo Defesa do Direito da Mulher em Situação de Violência (Nudem); por Cláudia Natividade, especialista em psicologia social, mestre e doutora em análise do discurso; e por Jussara Canuto, do Núcleo de Desenvolvimento de Competências Humano-Sociais (Nudhs) da Ejef.

A defensora pública Renata Salazar comentou que a exposição vai abordar os principais dispositivos da Lei Maria da Penha (Lei 11.340/2006), bem como sua aplicação. O conteúdo irá abordar a aplicação das medidas protetivas e as consequências de seu descumprimento.

Os participantes vão receber informações sobre a rede de enfrentamento e atendimento à mulher em situação de violência no estado, para se orientarem sobre a melhor forma de proceder quando da necessidade de encaminhar as vítimas para atendimento.

Na abertura do curso, a 2ª vice-presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e superintendente da Ejef, desembargadora Áurea Brasil, destacou a importância de capacitar servidores que atuam no atendimento a mulheres vítimas de violência doméstica.

“Trata-se de uma área muito sensível e, normalmente, as mulheres estão muito fragilizadas. Daí, a importância de um bom acolhimento para que o sofrimento seja amenizado”, disse a desembargadora.

Proteção

A psicóloga Cláudia Natividade abordará os desafios associados ao atendimento de mulheres em situação de violência doméstica: revitimização, culpabilização, infantilização e descrédito. A metodologia será estudo de casos, aula expositiva e dialogada.

A servidora Magda Mauad, do 2º Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher de Belo Horizonte, comentou que o curso é relevante para discutir e levantar as medidas mais adequadas de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica.

A defensora Renata Salazar descreveu como violência doméstica qualquer ação ou omissão baseada no gênero que cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual, psicológico ou dano moral e patrimonial. A ação se aplica também a mulheres trans, independentemente da alteração do registro do nome.

Para se configurar a violência doméstica contra a mulher, a agressão deve ocorrer em unidade doméstica, no âmbito familiar, ser baseada em gênero, havendo uma violação de direito.

Caracteriza violência doméstica qualquer conduta que ofenda a integridade física, psicológica, resulte em dano emocional, diminuição da autoestima, constrangimento, humilhação, isolamento. Os atos podem ser xingamento, perseguição, chantagem, violação de intimidade, entre outros, enumerou a defensora.

As duas outras turmas participarão das atividades em 12 e 13 de fevereiro, respectivamente.

Fonte: TJMG

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/curso-aborda-violencia-domestica-contra-a-mulher/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=curso-aborda-violencia-domestica-contra-a-mulher.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Plenário do CNJ realiza 315ª Sessão Ordinária nesta terça-feira (4/8)

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) realiza nesta terça-feira (4/8), às 14h, a 315ª Sessão …