Davi diz que votação remota de PEC não é ideal, mas destaca acordo de líderes — Senado Notícias

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, admitiu que a ideia de alterar o texto da Constituição pelo sistema de deliberação remota não é desejável. Mas, considerando a situação de pandemia de coronavírus, ele argumentou que momentos excepcionais pedem medidas excepcionais.

 Estamos no meio de uma pandemia, de uma situação de calamidade pública. Essa nova forma de deliberação a distância é a prova de tudo isso  lembrou Davi durante a ordem do dia desta quarta-feira (15), antes da votação da Proposta de Emenda à Constituição do Orçamento de Guerra (PEC 10/2020).   

A fala do presidente veio em resposta à questão de ordem apresentada pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), que é contrário à votação de uma PEC de forma remota. Esse tipo de votação vem ocorrendo no Senado para evitar o contágio com o novo coronavírus.

Davi informou que solicitou à Secretaria-Geral da Mesa (SGM) um estudo sobre a situação questionada por Alessandro. Segundo o presidente do Senado, o Regimento Interno do Senado prevê, no artigo 326, urgência quando há perigo para a segurança nacional ou situação de calamidade pública. Davi acrescentou que esse é o fundamento regimental para que as matérias sejam votadas diretamente no Plenário da Casa.

O presidente do Senado também citou o Ato da Comissão Diretora 7/2020, que regulamenta as sessões remotas, para dar base ao entendimento de que as PECs podem ser votadas de forma remota. O entendimento é que, quando a maioria dos líderes reconhece que a matéria trata de providências para atender a calamidade pública, o texto ganha urgência e vai ao Plenário do Senado para votação de forma remota. Se a matéria não tiver conexão com calamidade pública, pode esperar o tempo devido para sua tramitação normal.

Segundo o estudo da Secretaria-Geral da Mesa, o regimento prevê rito próprio para matérias de situação de calamidade, embora esse rito se destine a projetos de lei, e não para PECs. No entanto, nos últimos anos, o próprio Senado vem adotando calendário especial de tramitação para PECs, dispensando prazos e ritos, conforme entendimento entre as lideranças partidárias.

— Há muito tempo o Senado admite o rito abreviado para as PECs, sempre com a concordância dos líderes — destacou Davi.

Posição pessoal 

O presidente da Casa afirmou que sua posição pessoal é de não concordância com a alteração da Constituição de forma remota. Ele aponta o debate presencial como peça importante para as mudanças nesse texto. No entanto, Davi ressaltou que consultou os líderes, e que todos anuíram “com a votação excepcionalíssima” da PEC do Orçamento de Guerra.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2020/04/15/davi-diz-que-votacao-remota-de-pec-nao-e-ideal-mas-destaca-acordo-de-lideres.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Presidente da CRE espera gestos do governo por diálogo com EUA — Senado Notícias

Joe Biden tomou posse nesta quarta-feira (20) como o 46º presidente dos Estados Unidos. O …