Divulgados critérios da 3ª edição do Ranking da Transparência

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) publicou os critérios de avaliação e pontuação que serão utilizados na terceira edição do Ranking da Transparência do Poder Judiciário.

Criado em 2018, o ranking dá  destaque aos tribunais e conselhos que se mobilizam para fornecer informações à sociedade.

A Portaria CNJ nº 67/2020, publicada na terça-feira (14/4), apresenta nove temas compostos por 85 perguntas a serem respondidas por 90 tribunais, além do Conselho da Justiça Federal (CJF), e do Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT) e do próprio CNJ.

Entre os itens que serão avaliados no ranking da transparência 2020, é possível destacar se os órgãos publicam: os objetivos estratégicos, metas e indicadores; os levantamentos estatísticos sobre a atuação do órgão; o calendário das sessões colegiadas; a ata das sessões dos órgãos colegiados; o campo denominado ‘Serviço de Informações ao Cidadão’ na página inicial; informações sobre licitações e contratos, entre outros.

A norma destaca ainda as 16 unidades do CNJ que farão a conferência das informações considerando os critérios divulgados. Entre as unidades constam a Secretaria-Geral, a Secretaria Especial de Programas, Pesquisa e Gestão Estratégica, a Secretaria de Administração, a Secretaria de Gestão de Pessoas e os Departamentos de Tecnologia da Informação e Comunicação, de Acompanhamento Orçamentário, de Gestão Estratégica e de Pesquisas Judiciárias.

As unidades envolvidas na análise e seleção também ficarão responsáveis por propor ações de aperfeiçoamento da gestão da transparência.

Cronograma

A partir da publicação da Portaria CNJ nº 67/2020, a próxima etapa será o envio, em maio, aos 90 tribunais e aos três conselhos de um link com o questionário a ser respondido e encaminhado ao CNJ. Entre junho e agosto, será feita a validação das informações, com perspectiva de divulgação dos resultados em setembro.

Na edição do ano passado, o primeiro lugar no Ranking da Transparência ficou com o Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte (TRERN), com 95,08% pontos. Na sequência figuram os Tribunais Regionais Eleitorais de Alagoas (TREAL) e do Mato Grosso do Sul (TREMS) com pontuações de 94,26% e de 93,44%, respectivamente.

Prêmio CNJ de Qualidade

Além de elencar os órgãos do Judiciário conforme a performance em termos de acesso e clareza das informações prestadas à sociedade, o Ranking da Transparência é, também, um dos critérios do Prêmio CNJ de Qualidade.

A premiação busca incentivar os tribunais brasileiros a efetuarem melhorias em gestão, planejamento, produtividade e organização administrativa e judiciária sob a ótica da prestação de serviços judiciais.

Luciana Otoni

Agência CNJ de Notícias 

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/divulgados-criterios-da-3a-edicao-do-ranking-da-transparencia/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=divulgados-criterios-da-3a-edicao-do-ranking-da-transparencia.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …