Tribunal é convidado para apresentar modelo de tecnologia e inteligência artificial

O CGTIC (Comitê Gestor de Tecnologia da Informação e Comunicação) do TJRR (Tribunal de Justiça de Roraima) a convite do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) está elaborando um plano de ação sobre as tecnologias e ferramentas que utilizam a inteligência artificial na Justiça Estadual. A ação visa fazer com que o Poder Judiciário de Roraima integre o processo de implementação da Agenda 2030, que será desenvolvida pelos Liods (Laboratórios de Inovação, Inteligência e Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) em parceria com a ONU (Organização das Nações Unidas). O comitê já iniciou a construção do plano de ação, e a previsão é que ele seja enviado ao CNJ até a próxima sexta-feira, dia 1º de maio.

O presidente do CGTIC, juiz Esdras Silva, informou que o alinhamento do Judiciário de Roraima com as ações nacionais ocorreu a partir de uma reunião por videoconferência realizada na última semana com representantes do CNJ. “A conselheira Maria Teresa Uille fez o contato e convidou o Poder Judiciário para fazer parte do Laboratório de Inovação. Ela adiantou que estão sendo planejadas uma série de atividades em que as novas tecnologias e inciativas de todos os tribunais do país, estaduais, federais e eleitorais, serão conhecidas, especialmente para fim de cumprimento da Meta 9 do Judiciário, que está atrelada à Agenda 2030 da ONU, que visa o desenvolvimento sustentável e o fortalecimento da paz universal.”

Ele destaca, ainda, que um dos objetivos do Judiciário com essas ações é criar alternativas, por meio da tecnologia, que possibilitem à sociedade a resolução de problemas sem a necessidade da judicialização, com aplicação dos métodos de conciliação e mediação, a exemplo de programas do TJRR, como o Concórdia Virtual, sistema que foi adaptado para a realização de conciliação e mediação por meio de videoconferência, tendo como base a tecnologia Scriba. “O convite feito ao Tribunal de Justiça de Roraima demonstra, mais uma vez, o quanto o Poder Judiciário tem se tornado uma referência nacional em termos de tecnologia na Justiça.”

META 9 – Integrar a Agenda 2030 ao Poder Judiciário STJ (Superior Tribunal de Justiça), Justiça Estadual, Justiça Federal, Justiça do Trabalho e Justiça Militar da União e dos Estados. Realizar ações de prevenção ou desjudicialização de litígios voltadas aos objetivos de desenvolvimento sustentável da Agenda 2030, que é tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis.

AGENDA 2030 – É um programa de ação da ONU, voltado para as pessoas, para o planeta e para a prosperidade. Tem por objetivo fortalecer a paz universal com mais liberdade. Reconhece que a erradicação da pobreza em todas as suas formas e dimensões, incluindo a pobreza extrema, é o maior desafio global e um requisito indispensável para o desenvolvimento sustentável. O plano de ação desenvolveu 17 ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável), que devem ser atingidos pelos países que integram a Organização até o ano de 2030. Funciona como uma agenda universal.

Fonte: TJRR

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/tribunal-e-convidado-para-apresentar-modelo-de-tecnologia-e-inteligencia-artificial/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=tribunal-e-convidado-para-apresentar-modelo-de-tecnologia-e-inteligencia-artificial.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …