Maioria acredita que há mais contaminados com covid-19 que o divulgado — Senado Notícias

De acordo com pesquisa do Instituto DataSenado, a maioria dos brasileiros acredita que o número de contaminados no país com o novo coronavírus é maior que o divulgado. A pesquisa também indica que a TV é a principal fonte de informações sobre a pandemia; a maioria acredita que a crise econômica provocada pela covid-19 deve se agravar; e quase todos apoiam o uso obrigatório de máscara oficial em lugares públicos.

O DataSenado informou que a pesquisa foi realizada entre os dias 18 e 20 de maio, quando foram entrevistadas, por telefone, 1.200 pessoas com mais de 16 anos, em uma amostra representativa da opinião da população brasileira.

Para 59% dos participantes, o número de pessoas contaminadas pelo novo coronavírus no Brasil é maior do que o noticiado, enquanto 28% acreditam que o número de contaminados é menor que o divulgado.

A pesquisa também mostra que, para 62%, a TV é a principal fonte de informações sobre a pandemia de coronavírus. Os sites de notícias são o segundo meio mais citado: 16%. Em seguida aparecem “outros meios” (10%), Facebook (7%) e WhatsApp (4%).

Crise econômica e sanitária

A maioria dos entrevistados (57%) acredita que a crise econômica provocada pela covid-19 deve se agravar. Para outros 32%, atualmente a economia do país enfrenta a pior fase da crise.

Em relação à crise na saúde, as opiniões estão divididas: 45% dos participantes da pesquisa acreditam que o momento atual é o pior, enquanto outros 48% avaliam que o pior dessa crise ainda está por vir.

Quase todos os participantes da pesquisa (98%) manifestaram apoio ao uso obrigatório de máscaras faciais em lugares públicos.

Segundo a coordenadora do DataSenado, Laura Nascimento, a pesquisa indica a preocupação dos brasileiros com os impactos econômicos causados pela pandemia. Ela afirma que, nesse sentido, é significativo o apoio da população a projetos de lei que visam aliviar as dificuldades financeiras de pessoas, empresas, municípios e estados.

Auxílio emergencial

O DataSenado quis também saber quanto os entrevistados sabiam sobre o auxílio emergencial aprovado pelo Congresso Nacional para trabalhadores informais, autônomos e desempregados: 47% disseram saber pouco; 43% muito; 7%, nada; e 3% não souberam ou preferiram não responder.

Os participantes da pesquisa responderam ainda se solicitaram o auxílio emergencial. Do total, 54% disseram não e 46%, sim. Dos que solicitaram o auxílio, 65% afirmaram que receberam a primeira parcela e 35%, não.

Nove em cada dez entrevistados acham que o pagamento do auxílio emergencial deve ser estendido até o final do estado de calamidade pública, como preveem os seguintes projetos de lei em tramitação no Senado: o PL 2.593/2020, da senadora Kátia Abreu (PP-TO); o PL 2.627/2020, do senador Jean Paul Prates (PT-RN); e o PL 2.133/2020, do senador Jaques Wagner (PT-BA).

Questionados sobre a prorrogação, 91% dos entrevistados concordam com a medida; 7% discordam; e 2% não souberam ou preferiram não responder. Para Jean Paul, o resultado mostra que a população brasileira “já se divorciou das bandeiras do governo Bolsonaro”.

— O que já foi aprovado até agora estabelece o auxílio por apenas três meses. É pouco e não é suficiente para impedir que uma grande parte dos brasileiros afunde na miséria até o final do ano. O governo tem que entender o que os brasileiros já entenderam: essa pandemia é uma crise grave e que só o Estado, só o governo pode socorrer a população. Isso está ocorrendo em todo o mundo, em todos os países. Ficar na contramão é uma péssima política — observou o senador.

Internet

Os entrevistados também opinaram sobre o projeto de lei (PL 2.388/2020), da senadora Daniella Ribeiro (PP-PB), que propõe a criação de um auxílio no valor de R$ 100 mensais para famílias de baixa renda pagarem serviços de comunicação como internet e celular durante a pandemia. O resultado mostra que 73% dos brasileiros consideram a proposta muito importante; 26% discordam do pagamento do auxílio; e 1% não soube ou preferiu não responder.

Outros projetos também foram avaliados pela pesquisa:

Projeto de Lei 1.448/2020, do senador Alvaro Dias (Podemos-PR) – suspende os descontos, no salário, de parcelas de empréstimos e financiamentos enquanto durar a pandemia: 71% acham muito importante; 16%, pouco importante; 9% nada importante; e 5% não souberam ou preferiram não responder.

Projeto de Lei 662/2020, do deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) – garante o seguro-desemprego a microempresários individuais que perderam a renda: 82% acham muito importante; 11%, pouco importante; 4% nada importante; e 3% não souberam ou preferiram não responder.

Projeto de Lei 1.079/2020, do deputado federal Denis Bezerra (PSB-CE) – suspende o pagamento do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) durante a quarentena: 71% acham muito importante; 17%, pouco importante; 9% nada importante; e 3% não souberam ou preferiram não responder.

Projeto de Lei 675/2020, do deputado federal Denis Bezerra (PSB-CE) – proíbe a inscrição de novos consumidores em cadastro de devedores durante a pandemia: 55% acham muito importante; 25%, pouco importante; 15% nada importante; e 5% não souberam ou preferiram não responder.​

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2020/05/22/datasenado-maioria-acredita-que-ha-mais-contaminados-com-covid-19-que-o-divulgado.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Confúcio cobra votação de projeto do novo marco do saneamento — Senado Notícias

Em pronunciamento nesta quarta-feira (27), o senador Confúcio Moura (MDB-RO) criticou a paralisação do projeto …