Da tela ao tato: chamadas de vídeo aproximam pretendentes e crianças aptas à adoção

A tela do celular se torna lugar de troca de afeto, aproxima quem se conhece e vira meio de apresentação de quem nunca esteve junto frente a frente. Nesse período de distanciamento social, todos estão contando com a tecnologia para manter ou iniciar vínculos. Com a balconista Joana* não é diferente. Mas a principais videochamadas que ela tem feito ocorrem de segunda a sexta-feira, sempre no mesmo horário, e são aguardadas com bastante ansiedade.

“Nosso encontro é às 15h, ficamos meia hora juntas e é uma emoção muito grande. Tive medo que fosse deixar pra iniciar esse contato depois da pandemia, mas quando eu fui informada de que poderia fazer a chamada de vídeo, fiquei muito feliz. Se é o que tem, precisamos aproveitar”.

Joana é uma das pretendentes à adoção que está realizando a etapa de convivência por meio de videoconferência. Do outro lado da linha, a balconista conversa uma menina de 1 ano e 3 meses. “Estamos em contato desde o dia 23 de abril. Agora ela fica beijando a tela do celular e apontando o dedinho pra mim, já reconhece até a minha voz. É a minha filha!”.

De acordo com a Seção de Cadastro de Adotantes e Adotandos de Fortaleza (CE), em razão da implantação do plantão extraordinário, que instituiu o teletrabalho como regime obrigatório, cinco vinculações foram iniciadas por videoconferência. Outras cinco, que já estavam ocorrendo antes do início da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), também tiveram o acompanhamento realizado por vídeo. Dessas, quatro vinculações terminaram em maio, quando foi deferido o pedido de guarda e iniciado o processo de adoção, já com outra equipe.

A psicóloga Beatriz Aragão, da Seção de Cadastro, tem acompanhado esses encontros virtuais. “A vinculação é exatamente a aproximação dos pretendentes para a possível criança, a partir do cruzamento de dados registrados no Sistema Nacional de Adoção. A partir disso, a gente marca o encontro, que geralmente ocorre nas instituições de acolhimento. Nesse momento, a videochamada foi a forma que pensamos de poder acelerar o processo, de não deixar parado nem para os requerentes e nem para as crianças”.

Segundo o assistente social Diogo Cals, “em virtude da pandemia e na ausência de outra possibilidade neste momento, consideramos que esses contatos devem continuar ocorrendo por videochamada, haja vista a importância de estabelecer vínculos entre adotantes e crianças e/ou adolescentes acolhidos”.

O horário e a frequência das chamadas de vídeo dependem de um acordo entre as famílias e as instituições de acolhimento, após autorização do Poder Judiciário. Na última terça-feira (26/5), a psicóloga Vanessa* e o marido tiveram o primeiro contato com um menino de 1 ano e 7 meses que pretendem adotar.

“Sempre quisemos um casal. Já temos uma princesa, que está agora com 2 anos e 4 meses, e sabemos que esse contato virtual não é igual ao presencial. Mas, apesar da idade, ele interagiu bastante e nos emocionamos muito. Não vejo a hora de estarmos os quatro reunidos”.

*A reportagem utiliza nomes fictícios para as pretendentes porque a identidade das famílias é preservada pela Justiça enquanto o processo de adoção não for concluído.

Fonte: TJCE

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/da-tela-ao-tato-chamadas-de-video-aproximam-pretendentes-e-criancas-aptas-a-adocao/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=da-tela-ao-tato-chamadas-de-video-aproximam-pretendentes-e-criancas-aptas-a-adocao.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Paraná realiza mais de 2,3 milhões de atos processuais em trabalho remoto

Entre os dias 16 de março e 28 de junho, o Tribunal de Justiça do Paraná …