TJSP – Audiências telepresenciais: uma nova realidade nas Varas Especiais da Infância e da Juventude – AASP

Solução foi construída em conjunto com instituições.

Há 70 dias tudo mudou. O Tribunal de Justiça de São Paulo, sempre de portas abertas para as demandas da população, precisou fechar seus fóruns para cuidar dos cidadãos. A nova realidade trouxe imensos desafios a magistrados, servidores, integrantes do Ministério Público, Defensoria Pública, Advocacia e ao jurisdicionado, e fez o Judiciário paulista avançar na tecnologia, tornando as audiências virtuais uma rotina. O Fórum das Varas Especiais da Infância e da Juventude, na Capital, conhecido como Fórum do Brás, seguiu à risca as orientações de distanciamento social e se reinventou.

As varas especiais são responsáveis pelos processos que envolvem adolescentes infratores e, por essa razão, a necessidade de um processo ágil é premente. De acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente, o prazo máximo de internação provisória é de 45 dias. Daí decorreu a importância da adesão às teleaudiências nessas unidades. “Unimos esforços com todos os agentes envolvidos nos processos das varas especiais e desenhamos um modelo a ser seguido”, conta o juiz diretor do fórum, Raul Khairallah de Oliveira e Silva. “Não vejo nenhum prejuízo no trabalho remoto. Plataformas virtuais podem concentrar todos os agentes da Justiça num mesmo lugar, gastando poucos recursos e com rapidez. Não precisamos de estruturas físicas para fazer as coisas funcionarem”, disse.

Após reuniões dos juízes com as assessorias da Presidência do TJSP e da Corregedoria Geral da Justiça, com a Fundação Casa e com o Ministério Público, a Defensoria Pública e a Ordem dos Advogados do Brasil, desenhou-se o novo fluxo de trabalho. “O Tribunal de Justiça não impôs um modelo de audiência virtual, abriu as discussões para que, com a participação de todos, encontrássemos uma solução. A grande dificuldade foi possibilitar a participação de um responsável pelos jovens durante as audiências, e conseguimos isso graças ao empenho dos juízes em fazer acontecer”, conta o promotor de Justiça Marcos de Matos. Para viabilizar o acompanhamento de pais ou curador durante as audiências (previsto no ECA), as polícias foram orientadas a incluir telefones celulares e e-mails dos familiares dos adolescentes nos Boletins de Ocorrência, assim como a Fundação Casa nos relatórios de cada jovem internado.

Diante das circunstâncias, as atividades nos gabinetes de trabalho e nas unidades cartorárias foram reorganizadas. Como as varas trabalham sob o regime de Unidade de Processamento Judicial (UPJ), dois servidores se tornaram responsáveis pelo contato com todas as famílias. Uma semana antes das sessões eles entram em contato, explicam o funcionamento da audiência virtual, enviam o link de acesso à reunião e fazem um teste para garantir a viabilidade do acesso do responsável. As primeiras audiências remotas com jovens internados na Fundação Casa foram realizadas na segunda quinzena de maio. De 18/5 a 2/6 aconteceram 61 audiências. “Fazemos tudo de acordo com um cronograma compartilhado. No dia em que a audiência é marcada, ligamos o Teams e deixamos preparado para que o jovem possa ser ouvido. Ele é levado a uma sala particular e, a partir dali, não temos mais nenhum contato”, ressalta o diretor do Centro de Atendimento Inicial Gaivota, Paulo Rogério de Oliveira.

O juiz Raul Khairallah destaca que as teleaudiências nas varas especiais estão seguindo os trâmites necessários, garantindo a possibilidade de o adolescente e seus responsáveis conversarem reservadamente com o defensor ou advogado; a incomunicabilidade de vítimas e testemunhas; e os procedimentos para reconhecimento do adolescente pela vítima. “Tudo é garantido. Ao iniciarmos os trabalhos, a teleaudiência é gravada e guardamos esse registro. As garantias para o acusado são infinitamente maiores”, diz.

Repercussão

“Capacitamos a equipe por quase um mês. O agradecimento dos familiares dos adolescentes, que estão tendo uma resposta rápida do Judiciário às suas demandas, mostra as escolhas acertadas que fizemos. Garantimos a participação das famílias nas audiências virtuais e o resultado é muito positivo” – José Eugenio do Amaral Souza Neto, juiz da 1ª Vara Especial da Infância e da Juventude.

 

“Nas audiências virtuais conseguimos reproduzir fielmente tudo o que acontece na audiência presencial. Apesar de ser uma realidade nova no Judiciário, tem funcionado muito bem. Enquanto o cenário de distanciamento durar, seguiremos com o modelo” – Jayme Garcia dos Santos Junior, juiz da 2ª Vara Especial da Infância e da Juventude.

“Estou muito feliz com os resultados. Tivemos que sair da nossa zona de conforto para dialogar com os demais órgãos do sistema de Justiça e construirmos juntos um procedimento inovador e colaborativo. Superamos dificuldades técnicas e práticas para podermos dar a prestação jurisdicional à sociedade, ao adolescente e à sua família. Foi e está sendo um verdadeiro aprendizado coletivo” – Rodrigo Marzola Colombini, juiz da 3ª Vara Especial da Infância e da Juventude.

 

“Nada foi decidido arbitrariamente nem contrário aos interesses desses adolescentes. No processo de construção desse modelo, garantimos que todos os direitos dos jovens seriam respeitados, e que, a qualquer prejuízo à defesa deles, o processo seria anulado. Tudo fica gravado e pode ser questionado” – Raul Khairallah de Oliveira e Silva, juiz da 4ª Vara Especial da Infância e da Juventude.

 

“As audiências virtuais serão um incremento na forma de trabalho do Judiciário e, em minha opinião, devem seguir mesmo após o encerramento da pandemia. Elas são realizadas com apoio e colaboração de todos os envolvidos e, sobretudo, graças aos esforços dos funcionários do Tribunal, que mantêm contato com os familiares dos adolescentes e ensinam os interessados a usar o aplicativo Teams, para que eles possam participar da audiência conforme determinação do ECA” – Rejane Rodrigues Lage, juíza da 5ª Vara Especial da Infância e da Juventude.

 

“Fiz quatro audiências de apresentação e em todas tivemos experiências exitosas. Os responsáveis foram contatados previamente e puderam participar. Todas as garantias aos direitos dos jovens foram preservadas neste modelo, que não difere substancialmente em nada de uma audiência presencial” – Andrea Coppola Brião, juíza da 6ª Vara Especial da Infância e da Juventude.

 

“Conseguimos realizar as audiências virtuais resguardando todas as garantias dos jovens. A tecnologia disponível permite que o modelo presencial se reproduza quase que fielmente em meio virtual. Trabalhando juntos, mostramos que é algo totalmente possível e factível” – Marcos de Matos, promotor de Justiça.

 

“A experiência que tivemos até o momento foi bastante exitosa. Tudo foi muito bem alinhado entre o Tribunal de Justiça, as polícias Civil e Militar, o Ministério Público, a Defensoria Pública, a Promotoria de Justiça e a Ordem dos Advogados do Brasil. Seguimos o cronograma compartilhado entre todos e não houve problemas em nenhuma audiência” – Paulo Rogério de Oliveira, diretor do  CAI Gaivota.

 

NR: Texto publicado originalmente no DJE, em 3/6.

 

Comunicação Social TJSP – AA (texto) / JT (layout e arte)
imprensatj@tjsp.jus.br

Fonte: TJSP

Fonte Oficial: AASP.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Senado aprova MP que prorroga prazo para assembleias de sócios – AASP

Em sessão remota nesta quinta-feira (2), o Plenário do Senado aprovou a medida provisória que …