Isolamento social, eleições e questões religiosas são tema de webinar com a participação do ministro Dias Toffoli – STF

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, participou, nesta segunda-feira (22), do webinar "Estado Constitucional, Instituições Republicanas e Liberdades Civis Fundamentais no contexto da pandemia”, promovido pela Associação Nacional de Juristas Evangélicos (Anajure). O ministro respondeu perguntas sobre a atuação do Supremo durante o isolamento social, a possibilidade de adiamento das eleições municipais, a liberdade religiosa e destacou que, para o Judiciário, a "bíblia é a Constituição".

Toffoli afirmou que manter o Supremo funcionando durante a pandemia de Covid-19 foi um grande desafio e ressaltou que, com as soluções de tecnologia implementadas, a produtividade aumentou. "Mas o maior desafio de todos é trazer previsibilidade e segurança jurídica [no momento de crise] e isso nós estamos conseguindo junto a todo o sistema de Justiça", disse o ministro ao enfatizar o trabalho da magistratura, da advocacia, do Ministério Público e da Defensoria Pública.

Ao ser questionado sobre a possibilidade de adiamento das eleições municipais em função da necessidade de evitar aglomerações, Dias Toffoli esclareceu que o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, tem discutido com o Congresso Nacional sobre uma Emenda Constitucional (EC) com nova data de eleições mas ainda em 2020, sem prorrogação de mandato. "Essa é uma deliberação política. E eu tenho certeza de que o TSE irá conduzir diálogo com o parlamento, os partidos políticos e a sociedade, sempre respeitando as orientações científicas", salientou.

O presidente do STF apontou, ainda, que a ciência corrobora os benefícios da atividade espiritual ofertados pelas religiões. Ele exaltou, também, a atuação das igrejas junto às comunidades carentes. Ele citou decisões do Supremo para garantir a liberdade religiosa como, por exemplo, os julgamentos do ano passado sobre a constitucionalidade do ensino religioso em escolas públicas e a possibilidade de sacrifícios animais em cultos ritualísticos.

"Nesse momento de tanto ódio na sociedade, nós precisamos levar a mensagem do amor", defendeu Toffoli ao frisar que essa era sua posição como cristão, mas que, para o Poder Judiciário, a bíblia é a Carta Magna. Ao finalizar sua participação, o ministro agradeceu o apoio de todos os participantes, ao presidente a Anajure, Uziel Santana, e pediu união dos líderes evangélicos com o Poder Judiciário ao lembrar a passagem bíblica atribuída a Isaías: "o fruto da Justiça será a paz".

Assessoria de Comunicação da Presidência

Fonte Oficial: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=446060.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Nota do gabinete do ministro Luiz Edson Fachin ao “Estadão” – STF

Há duas pragas que afligem o Brasil: de um lado, o coronavírus e suas mutações, …