Corregedor destaca importância da ética ligada à tecnologia na Justiça

O corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, participou na segunda-feira (29/6) de webinar no “I Fórum sobre Direito e Tecnologia – 2020 | Inteligência artificial aplicada à gestão dos conflitos no âmbito do Poder Judiciário”. Em sua apresentação, ele falou sobre a importância da inteligência artificial na gestão do sistema de Justiça, destacando a necessidade de serem adotadas diretrizes éticas para o desenvolvimento de ferramentas e aplicações com essa tecnologia. O evento segue até esta quinta-feira (2/7).

“O objetivo é estimular as melhores práticas no campo da aplicação de inteligência artificial, em sintonia com a programação de valores fundamentais para o desenvolvimento das sociedades”, disse. O ministro citou duas iniciativas com essa potencial regulação da inteligência no Judiciário, com foco na ética e no fomento da tecnologia e não interdição de seu uso. A primeira delas diz respeito aos princípios da Carta Ética da Comissão Europeia para Eficiência da Justiça, do Conselho da Europa.

Segundo Martins, a comissão foi criada com algumas missões, como colaborar para melhorar a eficiência e qualidade dos sistemas judiciais dos Estados-membros; garantir que todas as pessoas afetadas pelas jurisdições dos Estados-membros possam fazer valer seus direitos de forma efetiva; e permitir a melhor aplicação dos instrumentos de colaboração internacional do Conselho da Europa, relacionados com a eficiência e com a equidade na aplicação da justiça.

“A Carta Ética possui cinco princípios: respeito aos direitos fundamentais; não discriminação; qualidade e segurança; transparência, imparcialidade e retidão; e controle do usuário. O documento é composto por estudos, pesquisas e elementos que apontam para situações nas quais a inteligência artificial pode, e deve ser estimulada, bem como outras, nas quais se deve tomar cautela”, enfatizou o ministro.

Políticas públicas

A segunda iniciativa diz respeito às diretrizes sobre Inteligência Artificial da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que constam de uma Recomendação aprovada em maio de 2019. “Esse é o primeiro documento do tipo, de uma organização internacional com caráter intergovernamental. O foco é mais amplo do que aquele da proposta do Conselho da Europa, uma vez que o primeiro visa a ser aplicado em todas as atividades que usem inteligência artificial, ao passo que o outro somente focaliza a aplicação no Poder Judiciário”, afirmou o corregedor nacional.

Por último, o ministro Humberto Martins destacou que o ministro Dias Toffoli, presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), instituiu, em novembro de 2019, um grupo de trabalho destinado à elaboração de estudos e propostas voltadas à ética na produção e no uso da inteligência artificial no Poder Judiciário. Os trabalhos estão em curso.

Leia aqui a íntegra da apresentação do corregedor nacional de Justiça.

Corregedoria Nacional de Justiça

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/corregedor-destaca-importancia-da-etica-ligada-a-tecnologia-na-justica/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=corregedor-destaca-importancia-da-etica-ligada-a-tecnologia-na-justica.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …