Coronavírus: TJ paulista e Defensoria discutem ações para a infância e juventude

Entre o rol de competências da Vice-Presidência do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), sob o comando do desembargador Luis Soares de Mello, está a solução dos processos originários e recursos em matéria de infância e juventude, ações julgadas pelo colegiado da Câmara Especial, integrada também pelo decano e pelos presidentes das seções de Direito Público, Direito Privado e Direito Criminal.

Em razão do isolamento social, imposto pela pandemia da Covid-19, na quinta-feira (2/7), de forma telepresencial, o vice-presidente, acompanhado dos juízes assessores Alice Galhano Pereira da Silva, Swarai Cervone de Oliveira e Tom Alexandre Brandão, reuniu-se com integrantes da Defensoria Pública do Estado de São Paulo para a apresentação dos defensores que atuam na área da infância e contextualização da situação de combate à pandemia da Covid-19 junto aos adolescentes das unidades da Fundação Casa. Os defensores trouxeram as dificuldades encontradas e os encaminhamentos realizados para o enfrentamento da situação relativa aos jovens ali acolhidos.

A coordenadora do Núcleo de 2ª Instância e Tribunais Superiores, defensora Luciana Jordão da Motta Amiliato de Carvalho, encarregou-se de apresentar aos magistrados os defensores públicos João Felippe Belem de Gouvea Reis (coordenador auxiliar do Núcleo de 2ª Instância e Tribunais Superiores), Ana Carolina Oliveira Golvim Schwan (coordenadora do Núcleo da Infância e Juventude) e Daniel Palotti Secco (coordenador auxiliar do Núcleo da Infância e Juventude).

Os defensores que atuam diretamente com questões da infância e da juventude – e ficarão à frente do Núcleo por mais dois anos, já que atuam por mandatos – traçaram um panorama dos trabalhos desenvolvidos e da abrangência das ações que incluem o suporte aos colegas que atuam nas Defensorias do Estado, a impetração de ações coletivas de alcance estadual, as articulações políticas na temática da infância e da juventude, a atuação em locais onde não há Defensoria, a busca do aprimoramento das políticas públicas, entre outros.

Ao término, a defensora Luciana Jordão elogiou a disponibilidade e a atenção do vice-presidente no pronto atendimento à Defensoria Pública, bem como dos juízes assessores da Vice-Presidência. Nas palavras do desembargador Luis Soares de Mello, “essa harmonia nas relações institucionais se reflete no necessário bom rendimento dos trabalhos do Judiciário e da Defensoria Pública”.

Fonte: TJSP

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/coronavirus-tj-paulista-e-defensoria-discutem-acoes-para-a-infancia-e-juventude/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=coronavirus-tj-paulista-e-defensoria-discutem-acoes-para-a-infancia-e-juventude.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …