Shopping da 44 não poderá ter o fornecimento de energia elétrica suspenso, decide TJGO

A 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), tendo como relator o desembargador Amaral Wilson de Oliveira, reformou sentença de primeiro grau para condenar a Celg Distribuição S/A – CELG D, a suspender o corte de fornecimento de energia elétrica do estabelecimento Planalto Malls Ltda, popularmente conhecido como Shopping Gallo.  A solicitação foi feita por causa do decreto estadual que determinava o fechamento da atividade comercial no período de pandemia.

Com a paralisação das atividades comerciais na região da Rua 44, o shopping, que atua na atividade de locação e administração de salas comerciais, ajuizou ação tendo por objetivo impedir que a concessionária de energia realizasse corte no fornecimento de energia elétrica. Em primeiro grau, o juízo da comarca indeferiu a tutela provisória, com isso, a recorrente pediu a reforma da sentença, sob o argumento de que foi obrigada a flexibilizar os alugueis e despesas das empresas clientes em razão da escassez de receita, ou seja, falta de vendas.

A empresa afirmou nos autos que, embora detenha junto à distribuidora de energia contrato de abastecimento pautado não no consumo, mas sim na quantidade de quilowatt, defendeu a possibilidade de alteração contratual para que o faturamento da conta se dê sobre o consumo, sendo permitida o parcelamento da dívida em aberto, bem como vedado o corte de abastecimento de energia, o que agravaria demasiadamente a situação dela e dos demais lojistas do local.

O relator considerou pertinente a modificação provisória da decisão atacada, uma vez que ficou evidenciada a presença dos requisitos legais para a concessão da medida, o qual dispõe sobre o parágrafo único do artigo 995 do Código de Processo Civil (CPC). “Mesmo não desempenhando serviço essencial à sociedade, destaco que a situação atual exige certa flexibilização por se tratar de caso de força maior (pandemia).”

Ele ressaltou, ainda, que a atividade comerciária como a do shopping foi profundamente atingida, afetando inclusive o estado, que teve que reduzir o ICMS, já que pouco se circulou nesses meses. “Cortar o abastecimento de energia, nestas circunstâncias, agravaria o problema com consequências e prejuízos incalculáveis. Há outros meios legais para a distribuidora agravada haver o seu crédito, sem a necessidade da suspensão do fornecimento energético, posição amplamente defendida pela jurisprudência a propósito.”

Fonte: TJGO

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/shopping-da-44-nao-podera-ter-o-fornecimento-de-energia-eletrica-suspenso-decide-tjgo/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=shopping-da-44-nao-podera-ter-o-fornecimento-de-energia-eletrica-suspenso-decide-tjgo.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …