Corregedor nacional mantém corregedoria do TJRJ em investigação contra juízes

O corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, deferiu, nesta quinta-feira (23/7), pedido de liminar apresentado pelo corregedor-geral de Justiça do Rio de Janeiro, desembargador Bernardo Garcez, para firmar a competência da  Corregedoria Geral da Justiça do Rio Janeiro (TJRJ) em investigação envolvendo dois juízes auxiliares da presidência da Corte fluminense.

A corregedoria local instaurou sindicância disciplinar, em 20/7/2020, para apurar suposta participação de dois juízes auxiliares da presidência em vazamento de informações sigilosas sobre apuração, em trâmite na corregedoria-geral de Justiça do TJRJ, contra um juiz de Direito em exercício no primeiro grau.

No entanto, segundo informações prestadas pelo corregedor do TJRJ, dois dias depois, o presidente do TJRJ, desembargador Cláudio de Mello Tavares, publicou portaria para apurar a responsabilidade dos juízes de seu gabinete.

Entre os fundamentos do normativo, o presidente do tribunal citou a Lei Estadual n.  6.956/2015 (artigo 22) e o regimento interno do TJRJ (artigo 229), no sentido de que a atribuição do corregedor-geral de Justiça para sindicar faltas funcionais estaria limitada aos magistrados em exercício no primeiro grau.

Competência estadual

Em sua decisão, o corregedor nacional de Justiça não reconheceu essa interpretação das normas. Para Humberto Martins, a redação dos dispositivos mencionados apresenta-se clara e objetiva, sem fazer distinção de funções, atribuindo ao corregedor-geral de Justiça a competência para investigação preliminar em face de magistrado de primeiro grau.

“Não há dúvidas em se firmar a competência do corregedor-geral de Justiça do Estado do Rio de Janeiro para apurar fatos relativos a magistrados de primeiro grau, ainda que estejam exercendo a função de auxílio na presidência daquela Corte”, decidiu o ministro.

Humberto Martins destacou também na decisão que a concessão da liminar tem o objetivo de otimizar a utilização dos recursos materiais e humanos, evitar a duplicidade de apurações, a repetição de atos processuais, bem como o risco de que sejam proferidas decisões conflitantes, “que somente teriam o condão de gerar atrasos e confusão processual”.

Assim, além de fixar a competência do corregedor-geral de Justiça do Rio de Janeiro para prosseguir nas investigações, o corregedor nacional determinou que a presidência do TJRJ suspenda, imediatamente, as investigações determinadas pela Portaria TJ 1.196/2020, até posterior deliberação.

Clique aqui e veja a íntegra da decisão.

Corregedoria Nacional de Justiça 

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/corregedor-nacional-mantem-corregedoria-do-tjrj-em-investigacao-contra-juizes-do-tribunal/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=corregedor-nacional-mantem-corregedoria-do-tjrj-em-investigacao-contra-juizes-do-tribunal.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Aprovada resolução que cria Plataforma Digital do Poder Judiciário

Os órgãos do Poder Judiciário brasileiro terão à disposição a Plataforma Digital do Poder Judiciário …