Mutirão de conciliação em processos de auxílio emergencial é destaque no Espírito Santo

O mutirão de conciliação no Espírito Santo para processos sobre auxílio emergencial foi destaque na imprensa na última semana. Desde o dia 23 de julho, o mutirão realizado pelo Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cescon), da Justiça Federal do Espírito Santo (JFES), em parceria com os juizados especiais e as varas federais, além da Procuradoria da União no estado, pretende dar celeridade aos pedidos que já chegaram à JFES.

O coordenador do Cescon, juiz federal Marcelo da Rocha Rosado, concedeu entrevistas a diversos veículos de comunicação, tanto on-line quanto nos telejornais, explicando como será realizado o mutirão e quem poderá participar. Nas diversas entrevistas, o juiz ressaltou que o mutirão se destina unicamente a usuários que já possuem processo na Justiça Federal e que sua realização acontece apenas de forma virtual.

Vai entrar com ação?

As pessoas que moram no Espírito Santo e tiveram seu auxílio emergencial negado e ainda não entraram com a ação judicial, poderão fazer seu pedido no site da JFES: www.jfes.jus.br. Ali, os usuários encontram tutoriais com orientações sobre o cadastramento para atuar sem advogado (cadastro como Jus Postulandi) e para elaborar sua petição inicial, juntando-a ao sistema processual e-Proc com os documentos solicitados na sequência.

Tanto o mutirão quanto todo o procedimento para entrar com ação judicial vem sendo realizado apenas de forma remota, como prevenção ao contágio pelo novo coronavírus (Covid-19). Dessa forma, os usuários não precisam comparecer aos prédios da Justiça Federal para serem atendidas. O atendimento vem sendo realizado nos dias úteis, das 12h às 19h.

Conciliação contínua

Os processos que não forem apreciados durante o mutirão, que vai até 7 de agosto, ainda poderão participar de conciliação (ou fazer acordo), uma vez que o Cescon continuará atuando normalmente, realizando conciliações de forma virtual. “Nesse período – de 23/07 a 07/08 – há um esforço concentrado na análise e solução desses pedidos que já foram realizados. No entanto, as pessoas que entrarem com ação judicial depois desse prazo também poderão conciliar”, afirmou o coordenador do Centro de Conciliação.

Outro lembrete do juiz é que o usuário não será chamado para uma audiência de conciliação. A equipe do Cescon examina os processos e, caso encontre alguma irregularidade, como falta de documento, petição ilegível etc., entrará em contato com o usuário e solicitará o acerto. Depois disso, o processo é enviado para a Procuradoria da União, pelo sistema processual, que verificará a situação, implementando ou não o benefício de forma imediata. Todo esse procedimento é realizado de forma virtual, através de sistema processual da JFES, de chamadas de vídeo ou mensagens eletrônicas.

O mutirão e esse atendimento vem sendo realizado apenas nos estados do Rio de Janeiro e do Espírito Santo, mediante determinação do Núcleo Consensual de Solução de Conflitos e Cidadania da 2ª Região.

Fonte: JFES/TRF2

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/mutirao-de-conciliacao-em-processos-de-auxilio-emergencial-e-destaque-no-espirito-santo/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=mutirao-de-conciliacao-em-processos-de-auxilio-emergencial-e-destaque-no-espirito-santo.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Atendimento presencial em SC terá agendamento e restrições para proteger cidadãos

A volta ao trabalho presencial nas unidades do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) …