Congresso debate temas como prerrogativas, jovem advocacia e advocacia pública – OAB

Um dos painéis do I Congresso Digital Nacional da OAB, desta
quarta-feira (29), trouxe para o debate a “Criminalização da Violação das
Prerrogativas da advocacia”. A discussão sobre o tema contou com a participação
do presidente da OAB-DF, Délio Lins e Silva, e do deputado Fábio Trad (PSD-MS),
presidente da Frente Parlamentar da Advocacia no Congresso Nacional. O debate
apresentou um histórico da tramitação do dispositivo legal que culminou em uma
das maiores conquistas da advocacia após 14 anos de luta no parlamento.

Fábio Trad explicou que a vitória foi possível a partir de
uma atuação irmanada da frente parlamentar com a diretoria do Conselho Federal
da OAB, atual e de gestões passadas, demonstrando uma enorme união da advocacia
contra os abusos perpetrados por autoridades públicas contra os advogados. Já
Délio Lins e Silva ressaltou o aspecto pedagógico da nova lei, com diversas
autoridades entendendo que é necessário respeitar as prerrogativas da
advocacia, porque na verdade elas são prerrogativas dos cidadãos. Para ele, não
se transige com as prerrogativas, que são direitos da advocacia e da cidadania.

Jovem advocacia

O contexto da jovem advocacia foi debatido no painel com o
tema “Superando as Dificuldades da Jovem Advocacia em tempo de
pandemia”. O encontro teve a participação do criminalista Antônio Carlos
de Almeida Castro, o Kakay, que defendeu que a advocacia deve lutar em defesa
da democracia e da Constituição mesmo em tempos em que existam flertes com o
autoritarismo.

Ao se dirigir de maneira mais específica aos jovens
advogados, ele lembrou um conselho que recebeu do jurista Evandro Lins. “A
certa altura perguntei que conselho ele daria a um estagiário. Ele disse uma
coisa que servirá para a vida toda. Ele disse para que lêssemos os clássicos,
para que lêssemos poesia, romances, ficção, revistas e, se sobrar tempo, leia
Direito. Isso é uma coisa fundamental em qualquer época, mesmo nesse mundo mais
virtual é importante que as pessoas tenham o objetivo de ter uma formação
humanista forte”, disse Kakay.

Assistência à advocacia

Com o tema “Assistência aos Advogados em tempos de
pandemia, o painel teve a participação do coordenador nacional das Caixas de Assistência,
Pedro Alfonsín, e dos presidentes das caixas de assistência do Piauí, Andréia
de Araújo Silva, de Rondônia, Elton Sadi Fulber, e São Paulo, Luís Ricardo
Vasques Davanzo, que falaram sobre as experiências vidas em seus estados.

Alfonsín criticou o excesso de cursos de direito e apontou
que esse quadro cria um cenário a mais de dificuldade para a jovem advocacia
que enfrenta no início de sua carreira uma concorrência agressiva. Ele falou
também sobre o apoio que as caixas de assistência têm prestado durante o
período da pandemia, incluindo apoio financeiro a profissionais em comprovada
dificuldade financeira. “Conheça as estruturas das caixas de assistência. Entre
nos sites delas. Procure o presidente, os diretores e os delegados de caixa de
assistência nas subseções e saibam o que a advocacia faz por você, o que o
sistema OAB entrega em retorno de sua anuidade”, incentivou Alfonsín

Advocacia pública

Com a moderação do presidente da Comissão Nacional de
Advocacia Pública da OAB Nacional, Marcello Terto, “Advocacia pública em tempos
de pandemia” foi o tema do painel que debateu como os métodos consensuais de
solução de conflitos podem ajudar a solucionar conflitos judiciais, sob as
perspectivas de negócios processuais e transações tributárias, bem como as
formas como a administração pública pode se valer desse instituto para atender
ao interesse público.

Os palestrantes Marco Antônio Rodrigues, professor da UERJ; Marco
Aurélio Ventura Peixoto, presidente da Comissão de Advocacia Pública da OAB-PE;
e Rita Nolasco, professora da PUC-SP,  destacaram
o papel do poder público no combate à pandemia, por meio de estímulos a setores
econômicos, ao abordar que o momento atual é da era da consensualidade na
administração pública e que a visão da advocacia pública litigiosa ficou para
trás.

O painel ressaltou que a advocacia pública é crucial no
controle dos negócios processuais, pois envolve controle prévio, além do dever
de propor a celebração de negócios jurídicos, uma vez que a administração
pública deve atuar de forma proativa. Além disso, salientou a possibilidade de os
contribuintes poderem levar ao fisco suas necessidades, de forma que sejam
pactuadas uma solução, mantendo o fluxo arrecadatório.

Gestão e inovação

As interfaces entre a advocacia e empreendedorismo foram
discutidas no painel “Gestão, empreendedorismo e inovação na advocacia
Pós-COVID-19”.  Se hoje o mundo tenta
entender e se adaptar a situações complexas provocadas pelo novo coronavírus,
ao mesmo tempo surgem novas ideias para lidar com essas situações, inclusive no
direito. E isso acaba impactando tanto a profissão como o negócio, que precisa
se atualizar para lidar com as mudanças.

“Quando o universo da gestão encontra o universo da
advocacia, grandes revoluções acontecem”, destacou a presidente da Comissão
Especial de Gestão, Empreendedorismo e Inovação da OAB Nacional, Lara Selem. O
painel foi conduzido pela conselheira federal da OAB, Cláudia Bernardino e
contou com a participação do conselheiro federal da OAB, Rodrigo Badaró.

Processos virtuais

“Audiências e julgamentos virtuais e processo eletrônico: avanços
e retrocessos” foi o assunto abordado no painel 96 que teve a moderação do presidente
da OAB-PE, Bruno de Albuquerque Baptista. As palestras tiveram à frente o
presidente da OAB do Acre, Erick Venâncio Lima do Nascimento, e do conselheiro
do CNJ, Luiz Fernando Tomasi Keppen.

O painel debateu a necessidade de se repensar a implantação
de ferramentas tecnológicas, de forma açodada, pois essa dinâmica pode
dificultar o trabalho dos advogados. Os palestrantes destacaram, ainda, que o
papel da OAB será fundamental na pós-pandemia, no apoio à advocacia. Os
palestrantes alertaram para a necessidade do Judiciário observar a imposição ao
advogado e ao jurisdicionado de atos por meio eletrônico, pois há comarcas mais
isoladas, cuja estrutura ainda não se mostra possível.

 

 

 

Fonte Oficial: http://www.oab.org.br/noticia/58337/congresso-debate-temas-como-prerrogativas-jovem-advocacia-e-advocacia-publica.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

OAB realiza webinar em comemoração aos 30 anos do CDC – OAB

A OAB Nacional, por meio da Comissão Especial de Defesa do Consumidor e com a …