DF institui Centro de Inteligência para identificar demandas judiciais repetitivas

Criado em junho deste ano, por meio da Portaria Conjunta 66/2020, o Centro de Inteligência do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) realizou, na quarta-feira (29/7), sua primeira reunião de trabalho. O órgão administrativo, instituído para identificar demandas judiciais repetitivas, vai iniciar uma série de estudos sobre o tema e promover ações a fim de evitar o excesso de judicialização, reduzir custos e dar maior celeridade à tramitação processual.

A juíza coordenadora do Centro de Inteligência, Luciana Sorrentino, explicou que para alcançar o objetivo proposto, a ação inicial consistirá na coleta de dados relativos às ações recorrentes ou com potencial de repetição no TJDFT. “A ideia é articular diversas unidades internas, algumas que já têm trabalhos nesse sentido, para identificarmos quais são as demandas que mais se repetem. Serão definidos grupos temáticos para facilitar a coleta e junção dessas informações.”

Além dos estudos no Tribunal, a magistrada informou que serão convocados atores externos considerados grandes demandantes capazes de trazer dados essenciais sobre o tema. “Estão previstas reuniões e seminários com Defensoria Pública, Ministério Público, advogados, organizações públicas e da sociedade civil com o intuito de debater o assunto e buscar propostas para a redução das demandas judiciais recorrentes.”

De acordo com os membros do órgão, os juízes poderão, com a conclusão dos estudos, decidir sobre os temas repetitivos de maneira mais uniforme, mas não vinculada, e, assim, evitar a judicialização predatória. Ainda visando contribuir para os trabalhos do Centro, será proposta à Corregedoria do TJDFT a adoção de medidas normativas e de gestão voltadas à modernização de rotinas processuais, organização, especialização e estruturação das unidades judiciais atingidas pelo excesso de litigância.

Membros

O Centro de Inteligência é presidido pela 1ª Vice-Presidente do TJDFT, desembargadora Ana Maria Duarte Amarante Brito, e composto pelos seguintes membros: juiz Jayder de Araújo, indicado pela Presidência; juíza Luciana Sorrentino e juiz Fabrício Lunardi, representantes da 1ª Vice-Presidência; juíza substituta Marina Corrêa Xavier, indicada pela 2ª Vice-Presidência; juiz Pedro de Araújo Yung-Tay Neto, representando a Corregedoria; juiz substituto Atalá Correia, representante da Escola de Formação Judiciária; juíza Fernanda Dias Xavier, indicada pelo Núcleo de Monitoramento de Perfil de Demandas – NUMOPEDE; e os servidores Rogério Martins Silva, do NUPEMEC; Aline Barreto Cardoso, do NUGEP; Camila Lucas Porto, da SEBI; Guilherme Veloso Neves Oliveira, da SUPJe; Irving Rocha Monteiro Lopes, da CGTI; Rosely de Paula Menezes, da CGSIS; e Túlio Parca, da COSIST.

Para entrar em contato com o Centro de Inteligência, é só ligar para 3103-7295 ou 3103-7299. Sugestões podem ser enviadas para o e-mail centro.inteligencia@tjdft.jus.br.

Fonte: TJDFT

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/df-institui-centro-de-inteligencia-para-identificar-demandas-judiciais-repetitivas/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=df-institui-centro-de-inteligencia-para-identificar-demandas-judiciais-repetitivas.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Juíza de Tefé (AM) determina remoção e internação de paciente com Covid-19 em UTI da capital

A juíza Nayara Antunes, em plantão judicial, determinou que o governo do Amazonas e a …