Conferências abordam temas plurais como federalismo, violência contra a mulher e legislação na pandemia – OAB

O último dia do I Congresso Digital Nacional da OAB, nesta
sexta-feira (31), deve a participação do presidente nacional da Ordem, Felipe
Santa Cruz, que destacou que o evento tem como marca “debates plurais e abertos
às grandes questões da reconstrução do país no cenário pós-pandemia, indo muito
além de um evento jurídico e envolvendo diversas áreas do conhecimento e da
sociedade”. Santa Cruz presidiu a conferência magna que abordou o tema “A
revalorização do princípio federativo na pandemia”, proferida pelo ministro do
Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski.

Em sua exposição, Lewandowski destacou que o princípio
federativo tem passado por uma necessária ressignificação. “Numa perspectiva
institucional da própria democracia, o federalismo é um tema central para a
cidadania. O STF revigorou a discussão sobre os princípios fundantes do nosso
Estado de Direito: o princípio republicano, o democrático e o federativo. Isso
foi necessário porque a pandemia descortinou antagonismos sociais intensos,
além das deficiências nas diferentes formas de governar. Por isso, compreender
a importância do federalismo e respeitar seus pressupostos é fundamental para
darmos um passo adiante nesse momento”, apontou.

O ministro traçou uma linha histórica da evolução das ideias
que antecederam e deram origem ao federalismo ao longo de todas as sete
constituições que nortearam o Brasil, de 1824 a 1988. “Os cidadãos, hoje, devem
uma submissão republicana aos governos federal, estadual e local, colocando em
prática a noção maior de um Estado Federal composto. Nossa federação nasceu sob
o signo de um pecado original: não foi gerada da união de estados soberanos,
mas do desmembramento de um poder unitário. Isso explica o fato de muitos Estados
ficarem de chapéu na mão em relação ao Governo Federal”, explicou Lewandowski.

Violência contra a mulher

A Conferência Magna “Resiliência e violência contra a mulher
na história do Brasil” teve à frente a historiadora Mary Del Priore, com a
moderação da conselheira federal da OAB, Cláudia Sabino. A conferencista
iniciou a explanação, lembrando que as mulheres não são só vítimas, mas
protagonistas da história.

Em seguida, fez um apanhado sobre a origem do patriarcalismo,
da relação entre homens e mulheres e sobre a histórica da posição da mulher,
envolvida com a reprodução familiar, e do homem, voltado ao sustento da
família.

Priore lembrou que “não se pode compreender a mulher e nem a
violência contra ela, se não estudarmos os homens. A existência delas é
relacional, seja em relação à família, ao trabalho, a outras mulheres,
inclusive à violência de mulheres contra mulheres, que também é muito grande e
precisa ser estudada”, destacou.

“O patriarcalismo está em crise”, disse a historiadora que
lembrou ainda sobre a importância de, neste atual momento, “não acusar e não
fazer do homem o grande inimigo. Temos que buscar soluções de diálogo e não só
acabarmos com o patriarcalismo, mas sobretudo para melhorarmos como cidadãos e
seres humanos e, assim, caminharmos em busca de um progresso de uma sociedade
mais pacífica e menos desigual”.

Legislação e advocacia

A deputada federal e ex-conselheira federal da OAB,
Margarete Coêlho, foi a convidada para conduzir a conversa “Legislação e
advocacia em tempos de crise”. Ela falou sobre como a produção do Legislativo –
que tem atuado em diversas frentes desde a violência doméstica até questões
contratuais – tem sido fundamental para amparar os cidadãos nesse momento. A
palestra encerrou a sequência de conferências magnas desse último dia de
congresso, e foi mediada pelo conselheiro federal da OAB, Helder José Freitas
de Lima Ferreira.

Para a deputada, o Legislativo deu uma resposta rápida e
assumiu um papel protagonista no enfrentamento da crise. Em especial, destacou
a criação de um orçamento separado para o enfrentamento da pandemia,
facilitando sua execução e ao mesmo tempo garantindo regras de transparência.

Margarete Coêlho frisou que essas medidas são temporárias.
“Essas providências foram extremamente necessárias e oportunas. Mas é
necessário deixar sempre muito claro que essa é uma legislação extravagante e
extraordinária, especificamente para esse período de pandemia do covid-19.
Minha preocupação é muito grande com as sequelas que essas novas legislações
poderiam, e podem, deixar no arcabouço jurídico pré-existente”, ponderou.
Segundo ela, é preciso criar legislações permanentes capazes de enfrentar esses
momentos sem grandes atropelos.

Fonte Oficial: http://www.oab.org.br/noticia/58347/conferencias-abordam-temas-plurais-como-federalismo-violencia-contra-a-mulher-e-legislacao-na-pandemia.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

OAB repudia sentença que associa acusado a crimes “em razão de sua cor” – OAB

O presidente da OAB Nacional, Felipe Santa Cruz, manifestou indignação em relação à sentença proferida …