Cármen Lúcia volta ao TSE como ministra substituta — Tribunal Superior Eleitoral

Sete anos após se despedir do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), onde entrou para a história como a primeira mulher a presidir a Justiça Eleitoral, a ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha volta a integrar a Corte como ministra substituta. A posse será nesta terça-feira (4), às 18h30, antes da sessão plenária que ocorre em formato virtual devido à pandemia causada pelo coronavírus (Covid-19).

A ministra Cármen Lúcia foi eleita pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), no dia 24 de junho, para ocupar a vaga aberta a partir da ascensão do ministro Alexandre de Moraes como membro efetivo do TSE.

A composição do TSE é formada por, no mínimo, sete ministros titulares e sete substitutos, cabendo três vagas de cada categoria ao STF, duas ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e duas à classe dos advogados. A Presidência é sempre exercida por um ministro do Supremo. O atual presidente da Corte Eleitoral é o ministro Luís Roberto Barroso.

Biografia

Mineira da cidade de Montes Claros, Cármen Lúcia Antunes Rocha se dedicou à carreira jurídica e se formou em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG). É mestre em Direito Constitucional pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), especialista em Direito de Empresa pela Fundação Dom Cabral e ainda doutora em Direito de Estado pela Universidade de São Paulo. Atuou como advogada, foi procuradora do Estado e professora da PUC de Minas Gerais por mais de 20 anos, onde também coordenou o Núcleo de Direito Constitucional.

A ministra Cármen Lúcia fala fluentemente outros cinco idiomas: inglês, francês, italiano, alemão e espanhol. Ela é autora de extensa produção intelectual jurídica, tendo escrito sete livros e mais de 70 artigos em publicações especializadas. Foi também coordenadora de outras quatro obras e colaborou com diversos trabalhos coletivos que versam sobre o Direito.

Desde 2006, integra a Suprema Corte, sendo a segunda mulher a alcançar tal posto, assumindo a vaga deixada pelo ministro Nelson Jobim. Ela foi presidente do TSE de abril de 2012 a novembro de 2013 e comandou o STF de setembro de 2016 a setembro de 2018.

CM/LG

Fonte Oficial: http://www.tse.jus.br/imprensa/noticias-tse/2020/Agosto/carmen-lucia-volta-ao-tse-como-ministra-substituta.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

termina nesta quinta (14) prazo para que eleitor justifique ausência ao 1º turno — Tribunal Superior Eleitoral

Nesta quinta-feira (14), termina o prazo para que o eleitor justifique sua ausência à votação …