Corregedor nacional destaca ações afirmativas do CNJ em webinar da Esmal

“A democracia contemporânea pede que a igualdade e as liberdades não sejam apenas direitos banalizados, mas uma realidade aplicável. O Poder Judiciário deve estar atento a isso.” A declaração foi feita pelo corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, na segunda-feira (3/8), durante palestra proferida no webinário Democracia e Judiciário: liberdade, convivência e tolerância, realizado pela Escola Superior da Magistratura do Estado de Alagoas (Esmal).

Martins discorreu sobre os desequilíbrios relacionados aos direitos de liberdade, convivência e tolerância retratados na sociedade brasileira desde o Brasil colônia e sobre o papel do Direito na desconstrução dessas práticas discriminatórias.

Ao citar importantes normas e direitos constitucionais voltados à concretização do princípio da igualdade, a exemplo das cotas de gênero em eleições, da reserva de vagas em concursos público para pessoas com deficiência e da criação do Estatuto do Idoso, o corregedor nacional destacou importantes ações afirmativas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) na inclusão de grupos historicamente discriminados, como a Resolução nº 203/2015, que dispõe sobre a reserva aos negros, no âmbito do Poder Judiciário, de 20% das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e de ingresso na magistratura.

“Essa importante Resolução prestigia não apenas a Constituição de 1988 e a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, mas também o Estatuto da Igualdade Racial (Lei nº 12.288/2010), destinado a garantir à população negra a efetivação da igualdade de oportunidades, a defesa dos direitos étnicos individuais, coletivos e difusos e o combate à discriminação e às demais formas de intolerância étnica.”

Imigrante venezuelanos

O ministro também falou sobre os esforços do CNJ e da Corregedoria Nacional de Justiça para o acolhimento de imigrantes venezuelanos no Brasil, principalmente de crianças e adolescentes. Segundo ele, inicialmente o CNJ buscou conhecer os abrigos locais e acompanhou a atuação do Tribunal de Justiça de Roraima (TJRR), assim como o trabalho do Poder Público federal e local, do Exército brasileiro, das organizações internacionais e da sociedade civil.

“O nosso objetivo posterior foi o de, formado o diagnóstico da situação, indicar soluções que atendam às condições legais do cuidado com a infância e a regularização migratória de crianças e adolescentes venezuelanos imigrantes em território nacional.”

Empatia

Humberto Martins defendeu a urgência dessas causas humanitárias e a necessidade de uma política cultural e global. Uma mudança que, segundo o corregedor nacional de Justiça, começa dentro de cada pessoa, com o sentimento de empatia. “Todos nós precisamos respeitar os direitos do outro, positivados ou não, mas isso somente começa quando eu me imagino no lugar do outro e percebo a forma como eu gostaria de ser respeitado se estivesse no lugar desse outro.”

Participaram também do webinar, o presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas (TJAL), desembargador Tutmés Airan de Albuquerque Melo; o desembargador do TJAL José Carlos Malta Marques (presidente da mesa); o desembargador do TRT da 19ª Região, João Leite de Arruda Alencar; o conselheiro do CNJ e desembargador Federal do TRF da 5ª Região, Rubens de Mendonça Canuto Neto e a juíza de Direito Lorena Sotto-Mayor.

Confira a íntegra da palestra do corregedor nacional

Agência CNJ de Notícias

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/corregedor-nacional-destaca-acoes-afirmativas-do-cnj-em-webinar-da-esmal/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=corregedor-nacional-destaca-acoes-afirmativas-do-cnj-em-webinar-da-esmal.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …