PE: Aplicativo permite que vítimas acompanhem processos de violência doméstica

O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) acaba de lançar o aplicativo Nísia, para que as vítimas possam acompanhar processos de violência doméstica contra a mulher. Por meio de um código fornecido pela vara judicial, é possível acessar com o celular informações sobre as movimentações processuais, como concessões de medidas protetivas e sentenças, partes envolvidas e o Órgão Julgador atual do processo, evitando que a vítima precise se deslocar para a unidade da Justiça. O lançamento será na semana em que se comemora o aniversário de 14 anos da Lei Maria da Penha, celebrado na sexta-feira (7/8).

O aplicativo já está disponível nas lojas Play Store e App Store. O projeto foi gerido pela Coordenadoria da Mulher do TJPE e desenvolvido pela Secretaria de Tecnologia do Tribunal. “Muitas mulheres vítimas querem mais informações sobre o seu processo, se a medida protetiva ainda é válida e entendemos que desta forma ampliamos o acesso à Justiça e elas conseguem entender melhor o fluxo do processo”, esclareceu a coordenadora da Mulher, desembargadora Daisy Andrade.

O lançamento do aplicativo prevê, ainda, outras versões, até o final do ano, que irão trazer novas funcionalidades para orientação de vítimas de violência e qualquer pessoa que busque informações sobre o tema. “Acreditamos que esta é uma forma de ampliar os canais de orientação desta mulher e todos que trabalham pelo fim da violência. Com informação e canais mais acessíveis, acreditamos que estamos atuando na prevenção de novos casos ou para evitar casos extremos de violência, que culminem no feminicídio”, avaliou a desembargadora.

Nísia

Nísia Floresta Brasileira Augusta, pseudônimo de Dionísia Gonçalves Pinto nasceu em 1810. A educadora, escritora e poetisa viveu ainda em diferentes estados brasileiros e na Europa e é considerada a primeira feminista brasileira.

Canais

O site da Coordenadoria da Mulher traz telefones, endereços e informações sobre os serviços de proteção disponibilizados pelas entidades que compõem a Rede de Proteção à Mulher, como o Disque 180, a Ouvidoria da Mulher do Estado de Pernambuco e as Delegacias Especializadas da Mulher. Além disso, é possível encontrar informações sobre o que é Medida de Proteção de Urgência e os tipos de providências adotadas, que vão desde o afastamento do agressor do lar e a proibição de contato com a vítima e seus familiares; até o pedido de encaminhamento dela e de seus dependentes a um programa oficial de proteção, atendimento e garantia de proteção policial.

Confira o passo a passo de como usar o aplicativo

Fonte: TJPE

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/pe-aplicativo-permite-que-vitimas-acompanhem-processos-de-violencia-domestica/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=pe-aplicativo-permite-que-vitimas-acompanhem-processos-de-violencia-domestica.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …