Aprovada entrada do Brasil no Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura — Senado Notícias

Em votação simbólica, o Plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (5) o texto do acordo que torna o Brasil membro fundador do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (BAII). O acordo foi assinado em junho de 2015. O PDL 336/2020 teve parecer favorável do senador Jean Paul Prates (PT-RN). O texto segue para promulgação.

Esse banco é uma instituição multilateral de desenvolvimento que financia projetos na Ásia e em outras regiões. Com sede em Pequim, o banco iniciou suas atividades em 2016. Em mensagem enviada ao Congresso Nacional, o governo federal explica que o banco pode financiar projetos em países fora da região asiática. Assim como o Novo Banco de Desenvolvimento do Brics, o Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura seria um mecanismo complementar à atuação de outros bancos multilaterais.

Os objetivos do banco são: promover o desenvolvimento econômico sustentável, criar riqueza e melhorar a conectividade da infraestrutura na Ásia mediante investimentos em infraestrutura e em outros setores produtivos, promover a cooperação e a parceria regionais para enfrentar os desafios de desenvolvimento, por meio da colaboração com outras instituições multilaterais e bilaterais de desenvolvimento.

Além do Brasil, outros 56 países assinaram o tratado e se encontram na condição de membros fundadores em potencial. Para serem efetivados, os países precisam assinar o acordo, ratificá-lo em seus respectivos poderes legislativos e integralizar o capital social do banco.

Redução do aporte

Inicialmente, o Brasil deveria comprar ações em valor total de US$ 3,18 bilhões. Entretanto, na exposição de motivos, o governo explica que as atuais limitações fiscais levaram à reavaliação do nível de participação brasileira. O novo montante de ações comunicado pelo Ministério das Relações Exteriores (após consultas ao Ministério da Fazenda) à presidência do BAII equivale a US$ 5 milhões.

Trata-se, portanto, de drástica redução da participação brasileira no BAII, comunicada à presidência do banco em 27 de outubro de 2016, que limitará profundamente a influência do Brasil na instituição, bem como seu acesso a financiamentos”, afirmou Jean Paul Prates, relator do projeto.

Jean Paul explicou que, entre os membros extrarregionais do banco, o país que comprometeu menos capital foi Malta, com US$ 172 milhões. “Assim sendo, a redução do compromisso brasileiro para somente US$ 5 milhões nos parece excessiva e talvez sinalize, ainda que inadvertidamente, certo menosprezo à importância do BAII, que pode ter desdobramentos negativos nas estratégicas relações bilaterais Brasil-China”, avaliou o senador, que defendeu um aporte de valor maior.

Segundo o senador, é preciso considerar que o capital de subscrição não precisa ser desembolsado de imediato. Ele ressaltou que o BAII já financia 63 grandes projetos de infraestrutura no mundo, envolvendo um montante de mais de US$ 12 bilhões. “Por conseguinte, no cômputo geral, tal redução excessiva da nossa participação no BAII, pode, no longo prazo, causar mais prejuízos ao Brasil do que a economia feita no curto prazo”, completou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2020/08/05/aprovada-entrada-do-brasil-no-banco-asiatico-de-investimento-em-infraestrutura.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Governo paga auxílio emergencial para 196 mil pessoas nesta quinta — Senado Notícias

O governo federal vai pagar auxílio emergencial para 196 mil pessoas nesta quinta-feira (28). Os …