Decisão liminar suspende atividades presenciais na rede de ensino particular do DF

O desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT10), Pedro Luís Vicentin Foltran, determinou na quinta-feira (6/8) a suspensão imediata das aulas nos estabelecimentos de ensino particular do Distrito Federal. A liminar vale até que seja proferida uma sentença na ação civil pública em andamento na 6ª Vara do Trabalho de Brasília.

No entendimento do magistrado, o retorno das aulas coloca em risco a saúde dos trabalhadores das instituições de ensino e pode culminar no crescimento do número de casos de Covid-19 na capital federal. “De fato, o retorno presencial das atividades educacionais acarreta não só a exposição dos profissionais de educação, mas também de um número ainda maior de pessoas envolvidas no transporte dos alunos até as instituições de ensino, aumentando, ainda que indiretamente, o nível de contaminação pelo vírus no Distrito Federal.”

A decisão liminar menciona como fundamento para a suspensão das aulas as estatísticas mais recentes sobre o número de contaminados pelo coronavírus no país e ainda recorda a recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) de isolamento social para conter o contágio. O magistrado relator também cita a análise realizada pelo médico Drauzio Varella em entrevista à Globo News – com relação ao momento certo para volta às aulas –, na qual o especialista alerta para toda a cadeia de profissionais e pessoas envolvidas na logística de retorno das atividades educacionais.

Diante de um momento tão atípico – como o de uma pandemia, segundo o desembargador do TRT10, a Justiça do Trabalho deve se voltar essencialmente à proteção da vida e da saúde do trabalhador. Em sua decisão, o desembargador Pedro Foltran ressaltou ainda que a Constituição Federal e a Declaração Universal dos Direitos do Homem reconhecem a “absoluta superioridade hierárquica dos direitos à vida e à saúde sobre os direitos econômicos decorrentes da suspensão das atividades escolares”.

Entenda o caso

A questão da retomada das atividades das escolas particulares do DF começou a ser arbitrada pela Justiça do Trabalho no final de julho, quando o MPT ajuizou ação civil pública contra o Decreto Distrital 40.939/2020, que permitiu a reabertura de diversos estabelecimentos, incluindo as instituições de ensino da rede privada, a partir do dia 27 de julho. O Ministério Público argumentou que o DF está no pico da pandemia de Covid-19 e lembrou que a OMS apontou que escolas e empresas deveriam ser as últimas atividades a serem reabertas, e que o retorno do ensino público está previsto apenas para o final de agosto.

Em 25 de julho uma liminar concedida no plantão judiciário pelo juiz Gustavo Chehab suspendeu o retorno das aulas que havia sido previsto no Decreto Distrital 40.939/2020. A juíza Adriana Zveiter, responsável pelo caso na 6ª Vara do Trabalho de Brasília, determinou, então, a realização de uma audiência de conciliação, que aconteceu no dia 3 de agosto, quando a magistrada propôs um cronograma para volta das aulas na rede privada de ensino.

Como não houve anuência do GDF e diante do fim do prazo da suspensão do retorno às aulas previsto na liminar concedida anteriormente, a juíza reanalisou o pedido de liminar e autorizou o retorno das atividades. O MPT impetrou mandado de segurança na quarta-feira (5/8) solicitando, novamente, a suspensão das aulas na rede privada. A decisão liminar foi dada na quinta-feira (6/8) cassando a decisão proferida em ação civil pública em andamento na 6ª Vara do Trabalho de Brasília. Ainda cabe recurso à decisão.

Processos nº 0000577-76.2020.5.10.0000 (mandado de segurança) e nº 0000601.86.2020.5.10.0006 (ação civil pública)

Fonte: TRT10

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/decisao-liminar-suspende-atividades-presenciais-na-rede-de-ensino-particular-do-df/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=decisao-liminar-suspende-atividades-presenciais-na-rede-de-ensino-particular-do-df.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Resolução institui PJe das Corregedorias na Justiça Estadual de Rondônia

O Tribunal de Justiça de Rondônia (TJRO) publicou a Resolução 154/2020, que institui o PJeCor …